Energias renováveis já estão entre as mais baratas
Energias renováveis já estão entre as mais baratas Energias renováveis já estão entre as mais baratas Energias renováveis já estão entre as mais baratas Energias renováveis já estão entre as mais baratas

Energias renováveis já estão entre as mais baratas

4 min de leitura

Matéria originalmente publicada no Valor Econômico  Pela primeira vez o custo de gerar energia eólica em terra – -tecnologia conhecida por “onshore” – tornou a fonte competitiva com o mais barato combustível fóssil. O custo dessa fonte de energia renovável […]

por Syngenta Digital
Energias renováveis já estão entre as mais baratas Voltar
Energias renováveis já estão entre as mais baratas
Energias renováveis

Matéria originalmente publicada no Valor Econômico 

Pela primeira vez o custo de gerar energia eólica em terra – -tecnologia conhecida por “onshore” – tornou a fonte competitiva com o mais barato combustível fóssil. O custo dessa fonte de energia renovável caiu 23% desde 2010. Trata-se de um momento-chave na transição energética global, segundo especialistas.

O custo da eletricidade gerada por painéis solares fotovoltaicos, por seu turno, também caiu nesse período, nesse caso 73%. Há outras boas notícias. A previsão é que o custo de produzir energia solar diminua ainda mais com novos projetos, caindo pela metade nos próximos dois anos.

A expectativa é que em 2019 os melhores projetos de energia eólica em terra e de energia solar fotovoltaica produzam eletricidade a US$ 0,03 por até kW/h ou até menos. Isso significa que as renováveis podem ter custo bem inferior do que a geração a partir de combustíveis fósseis, que registram espectro de preços entre US$ 0,05 a US$ 0,17 por kW/h. Isso depende do país, mas vários novos projetos de energia eólicas indicam que o preço tornou-se competitivo com carvão.

Os dados fazem parte do relatório Renewable Power Generation Costs, da International Renewable Energy Agency (Irena), o maior fórum mundial de promoção de energias renováveis. A Irena reúne 154 países (mais a União Europeia) e há 26 em processo para ingressar. O Brasil ainda não faz parte, assim como o Canadá, mas China, Estados Unidos, o bloco europeu e Índia são membros.

O estudo, lançado neste fim de semana durante a 8ª Assembleia da entidade, diz que em Abu Dhabi, no Chile, em Dubai, no México, no Peru e na Arábia Saudita projetos de energia solar e eólica bateram recordes de preços baixos, alcançando US$ 0,03 por kW/h em leilões.

“A troca de um sistema de energia para outro não é simples e sem dúvida irá levar vários anos antes que o sistema atual seja transformado”, afirmou o diretor-geral da Irena, Adnan Z. Amin, na abertura do evento. “Mas a transformação do sistema energético atual está ganhando ritmo e não pode ser parada. A evolução das renováveis nos últimos anos extrapola as expectativas mais otimistas”, continuou.

“Custos em queda e a rápida inovação têm impulsionado os investimentos e reposicionado as renováveis, que deixaram de ser um nicho e se tornaram uma solução técnica e economicamente atraente”, seguiu o advogado queniano que dirige a instituição fundada em 2009 e que é referência global no setor.

“Somos o país que iniciou a Revolução Industrial e agora estamos completamente dentro de uma nova revolução”, disse Nick Bridge, secretário de Relações Exteriores e enviado climático do Reino Unido. Em cinco anos, o país tornou-se o maior produtor mundial de energia eólica em alto mar (offshore). “Já conseguimos, em alguns dias do verão e a despeito do nosso clima, não ter nada de carvão na nossa geração de energia”, afirmou.

Taro Kono, ministro das Relações Exteriores do Japão, fez uma declaração forte e surpreendente, criticando a posição de seu país de não ter investido mais em energias renováveis no passado e de ter metas tímidas no setor.

“Priorizamos seguir com o ‘status quo’ por medo da mudança”, afirmou ele a uma plateia de 1.100 delegados de 150 países, além de empresários e representantes da sociedade civil. Kono considerou “lamentável” a escolha pouco ambiciosa feita pelo Japão nesse campo.

Os resultados de leilões recentes feitos em vários países para projetos de renováveis, que serão implementados no futuro, indicam que a tendência de redução de custos deve continuar além de 2020, disse ao Valor Michael Taylor, o autor do estudo da Irena.

Em 2020 todas as tecnologias de geração de energias renováveis hoje em uso devem ter preço competitivo com os combustíveis fósseis, estima o relatório. Isso deve acontecer até com tecnologias que hoje iniciam sua trajetória, como geração eólica offshore (em alto mar) e energia solar concentrada (projetos que utilizam grandes espelhos para esquentar combustível e produzir vapor).

Projetos de outras fontes de energia renovável, como biomassa, geotérmica e projetos hidrelétricos, mostraram ser competitivas nos últimos 12 meses com combustíveis fósseis.

“Há uma transição global em curso que não deixa dúvidas sobre a transformação que temos que enfrentar nas nossas economias”, disse o diretor-geral da Irena. “É impressionante observar a velocidade com que a mudança está ocorrendo”, continuou.

A base de dados de energias renováveis da organização intergovernamental leva em conta informações de 15 mil projetos no mundo. Há ainda dados de 7 mil leilões e outros sistemas de aquisição de projetos.

Fonte: Grupo IDEA

Leia também: Pesquisadores Identificam Gene Que Pode Aumentar Eficiência Na Produção De Etanol.  Acompanhe nossas redes sociais em FacebookInstagramLinkedIn e Youtube

Leia mais da categoria:

Posts
4 min de leitura

4 dicas para fazer a produção de soja render com a atual seca

A forte seca que vem acometendo vários estados brasileiros preocupa os produtores de soja, já que a leguminosa é uma das que mais sofrem com a estiagem, pois cerca de 90% do seu peso é constituído pela água. As pancadas […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
percevejo verde na rocha

O guia dos percevejos: tudo sobre o principal inimigo da lavoura

O agronegócio no Brasil é marcado pela agricultura intensiva, as monoculturas, e as plantações em áreas extensas. Nesse cenário, os produtores lidam com problemas agrícolas relacionados ao controle de pragas todos os dias. Na soja, os percevejos assumem o papel principal.   Considerados como alguns dos principais agressores da cultura, os percevejos se […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura

Pesquisa comprova segurança das aplicações aéreas

Por Gabriel Colle – Sindag A aviação agrícola teve sua segurança comprovada por uma pesquisa realizada em Rio Verde/GO, comparando pulverizações feitas com uso de avião, um auto propelido e um pulverizador costal. Todas repetidas tanto em situação ideal de clima […]

Leia na íntegra