Fundecitrus reestima safra da laranja 2017/18 em 397,27 milhões de caixas
Fundecitrus reestima safra da laranja 2017/18 em 397,27 milhões de caixas Fundecitrus reestima safra da laranja 2017/18 em 397,27 milhões de caixas Fundecitrus reestima safra da laranja 2017/18 em 397,27 milhões de caixas Fundecitrus reestima safra da laranja 2017/18 em 397,27 milhões de caixas

Fundecitrus reestima safra da laranja 2017/18 em 397,27 milhões de caixas

4 min de leitura

Fundecitrus – Fundo de Defesa da Citricultura divulgou a terceira reestimativa da safra de laranja 2017/18. O relatório aponta uma produção de 397,27 milhões de caixas, de 40,8 kg cada. Esse valor corresponde a um aumento de 3,13% em relação […]

por Syngenta Digital
Fundecitrus reestima safra da laranja 2017/18 em 397,27 milhões de caixas Voltar
Fundecitrus reestima safra da laranja 2017/18 em 397,27 milhões de caixas

Fundecitrus – Fundo de Defesa da Citricultura divulgou a terceira reestimativa da safra de laranja 2017/18. O relatório aponta uma produção de 397,27 milhões de caixas, de 40,8 kg cada. Esse valor corresponde a um aumento de 3,13% em relação à estimativa publicada em dezembro de 2017. E, de 9,00%, quando comparada à estimativa inicial de maio de 2017. Da safra total, cerca de 30,42 milhões de caixas deverão ser produzidas no Triângulo Mineiro.

Segundo o coordenador da Pesquisa de Estimativa de Safra (PES), Vinícius Trombin, o desempenho positivo desta safra, constatado pelos incrementos de produção anunciados a cada reestimativa, continua sendo devido ao aumento de peso dos frutos. Atualmente, em 165 gramas, em média por unidade, contra 162 gramas na reestimativa de dezembro.  “Esse fato é explicado pelas chuvas acima da média histórica, que proporcionaram um maior acúmulo de água nos frutos, o qual, foi potencializado pela melhora dos tratos culturais dos pomares”, diz.

Trombin também destaca a redução da taxa de queda de frutos como um fator que contribuiu para o aumento desta produção.  “A queda está cerca de um ponto percentual menor em relação ao valor projetado inicialmente”, completa o coordenador.

As chuvas abundantes em todas as regiões produtoras do cinturão citrícola ocorreram no período de outubro a janeiro. O efeito dessas chuvas foi observado, principalmente, na Pera Rio e com mais intensidade nas variedades tardias em função da época de colheita.

A colheita das variedades precoces foi encerrada em janeiro com tamanho e taxa de queda iguais aos revisados em setembro e mantidos na reestimativa de dezembro. Cerca de metade da produção dessas variedades precoces foi realizada até meados de julho, quando os solos ainda estavam úmidos em função das chuvas acima da média histórica que ocorreram no início da safra.

Método utilizado para reestimativa pela Fundecitrus

A colheita da Pera Rio, variedade de meia estação, está praticamente encerrada, restando apenas 1% para finalizar a safra. A colheita da Valência e Valência Folha Murcha atingiu 95% da produção.  O tamanho é alterado para 227 frutos por caixa e a taxa de queda para 21,50%. No caso da Natal, a colheita está em 90% da produção. O tamanho é revisado para 238 frutos por caixa e a taxa de queda passa a 20,00%. Considerando todas as variedades, já foi colhido 97% do total da safra. O tamanho médio é reestimado para 247 frutos por caixa e a taxa de queda é reestimada em 17,20%.

O método utilizado para a reestimativa é o mesmo adotado na safra anterior. As informações foram obtidas por meio do monitoramento de peso e queda de frutos em 900 talhões. A partir de maio, que deixam de ser visitados à medida que ocorre a colheita completa do mesmo, além do tamanho dos frutos processados. O trabalho é realizado pelo Fundecitrus em cooperação com a Markestrat, FEA-RP/USP e FCA/Unesp. O relatório completo está disponível em: http://bit.ly/2EL0dDS

Fonte: Grupo Cultivar

Leia também: #Unidoscontraogreening: Campanha Contra Principal Praga Da Citricultura. Acompanhe nossas redes sociais em FacebookInstagramLinkedIn e Youtube.

Leia mais da categoria:

Posts
4 min de leitura
Fazenda vista do alto

Protector acelera tomada decisão em cliente do MS

Um dos principais benefícios da adoção de ferramentas digitais no campo é suportar e acelerar a tomada de decisão do produtor. Soluções que reúnem dados valiosos sobre a fazenda simplificam a análise e o cruzamento de informações, auxiliando em ações precisas […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
agricultura digital

A agricultura digital a favor dos negócios

Por Fernando Rossetti para Grupo Cultivar  A economia brasileira depende diretamente do agronegócio. Porém, o solo fértil de, aproximadamente, 400 milhões de hectares ainda não é totalmente explorado. Riquezas e taxas de produção podem ser muito mais incrementadas, já que […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
Pragas agrícolas resistentes

Aumento de resistência de pragas agrícolas a inseticidas ameaça agronegócio

O aumento da resistência a inseticidas tem dificultado o controle de pragas agrícolas em diferentes partes no mundo. Um dos motivos para o aumento é o uso indiscriminado desses próprios agroquímicos nas lavouras. Segundo especialistas, o Brasil tem sido muito […]

Leia na íntegra