Manejo de resistência e agricultura digital - Syngenta Digital
Manejo de resistência e agricultura digital - Syngenta Digital Manejo de resistência e agricultura digital - Syngenta Digital Manejo de resistência e agricultura digital - Syngenta Digital Manejo de resistência e agricultura digital - Syngenta Digital

Manejo de resistência e agricultura digital

4 min de leitura

“Estamos acompanhando, de forma cada vez mais rápida, o aparecimento de indivíduos resistentes a diversos produtos”. O alerta é da engenheira agrônoma e Especialista em Transformação Digital (ETD) Fabiana Chrispim, que percebe uma preocupação crescente entre os produtores. Afinal, o manejo de resistência é desafiador: esses organismos têm grande potencial destrutivo e os produtos para seu controle precisam ser […]

por Syngenta Digital
Manejo de resistência e agricultura digital - Syngenta Digital Voltar
Manejo de resistência e agricultura digital - Syngenta Digital
monitoramento de campo

“Estamos acompanhando, de forma cada vez mais rápida, o aparecimento de indivíduos resistentes a diversos produtos”. O alerta é da engenheira agrônoma e Especialista em Transformação Digital (ETD) Fabiana Chrispim, que percebe uma preocupação crescente entre os produtores. Afinal, o manejo de resistência é desafiador: esses organismos têm grande potencial destrutivo e os produtos para seu controle precisam ser cada vez mais específicos. A boa notícia é que a agricultura digital pode ser uma aliada para frear o aparecimento de populações resistentes. Nesse texto, você descobre como. 

O que causa o aparecimento de populações resistentes?  

O aumento das populações de indivíduos resistentes é causado por um conjunto de razões. O uso equivocado de defensivos agrícolas é um importante fator. A utilização de mesmos produtos — com os mesmos mecanismos de ação– em sequência, em doses diferentes das recomendadas e/ou em momentos não recomendados contribui para selecionar os indivíduos que são resistentes, acarretando em um crescimento da população resistentes, explica Chrispim. A utilização em sequência de pesticidas, herbicidas ou fungicidas com um mesmo mecanismo de ação pode selecionar os indivíduos que são resistentes. É aí que os sobreviventes se reproduzem e a população de resistentes cresce.  
 

O que é o manejo de resistência?  

A resistência é um problema tanto para o produtor, quanto para as empresas que desenvolvem a tecnologia por trás dos defensivos. Diante de populações resistentes na lavoura, o agricultor terá mais gastos com produtos para controle. Segundo Fabiana Chrispim, passa a ser mais difícil empregar defensivos de amplo espectro, e torna-se necessário um manejo mais específico com utilização de outros produtos e diferentes janelas de aplicação.  

Para as empresas, o rápido surgimento de populações resistentes pode tornar um produto defasado em pouco tempo. A preocupação, alerta Chrispim, é que esses indivíduos se tornem resistentes aos defensivos antes que as empresas possam desenvolver um produto novo, já que essa elaboração requer anos de pesquisas e testes. “A evolução de indivíduos resistentes está sendo cada vez mais rápida”, completa a ETD.  

É por isso que é do interesse de todos os envolvidos evitar que as aplicações sejam realizadas de forma indiscriminada e incorreta. O manejo de resistência está, justamente, em combater essa prática com um conjunto de técnicas. Cada praga, fungo ou planta daninha exigirá um manejo. Mas, para Fabiana Chrispim, a principal resposta para o problema é o manejo integrado de pragas combinado com a rotação dos mecanismos de ação dos defensivos. 

infográfico manejo de resistência

Como usar a agricultura digital a seu favor? 

No combate ao rápido surgimento de populações resistentes, o produtor pode contar com a agricultura digital. É que, de posse de dados confiáveis da lavoura, ele toma decisões embasadas e evita aplicações desnecessárias. E a fonte dessas informações está no monitoramento digital, que contribui para uma aplicação no alvo certo em tempo hábil. Fabiana Chrispim explica: “é ir na lavoura, fazer o monitoramento, entender se é o momento mesmo de fazer a aplicação. São as aplicações desnecessárias que vão contribuir para a resistência”. 
 
A plataforma de monitoramento digital da Syngenta Digital, o Cropwise Protector, também possibilita a realização de aplicações localizadas, conta Chrispim. “Isso diminui a quantidade de defensivo, eu não preciso usar na área inteira, tenho foco em lugares específicos”, completa a engenheira agrônoma.  

Com um olhar atento à lavoura e aos seus dados, o produtor rural otimiza a utilização de insumos, reduz desperdícios e ganha eficiência. Tudo isso sem deixar de combater pragas, doenças e daninhas que representam um risco para a produtividade.  

Leia mais da categoria:

Posts
4 min de leitura
colheita soja maquina

Como aumentar a produtividade na soja: 7 estratégias

Nos últimos 25 anos a produção brasileira de soja triplicou. Os agricultores estudaram o cultivo, apostaram em tecnologias e novas estratégias de produção, conseguindo vencer o desafio de aumentar a produtividade na soja. De acordo com a Aprosoja Brasil, além das […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
Internet das coisas - IOT conectado

A internet das coisas (IoT) chegou no agronegócio

Você já ouviu o termo “internet das coisas”? Pode não ter ouvido, mas sem dúvida você convive com a novidade no seu dia a dia. O termo se refere à atual revolução da tecnologia, em que objetos são conectados à […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura

KERNEL: Três características essenciais para atuação internacional

A Kernel é considerada a maior empresa da Ucrânia no ramo de óleo de girassol. Além disso, também é a principal fornecedora de produtos agrícolas na região do Mar Negro para os mercados mundiais, e se encontra presente em mais […]

Leia na íntegra