O que é 5G? Conectividade e digitalização no Brasil
O que é 5G? Conectividade e digitalização no Brasil O que é 5G? Conectividade e digitalização no Brasil O que é 5G? Conectividade e digitalização no Brasil O que é 5G? Conectividade e digitalização no Brasil

A chegada do 5G e os entraves para a conectividade no Brasil

4 min de leitura

O 5G chegou ao Brasil e “a Anatel incluiu o compromisso de implantação dessa tecnologia em todos os municípios do país até 2029”. É o que explica o superintendente de planejamento e regulamentação da Agência Nacional de Telecomunicações, Nilo Pasquali. Segundo a lógica de instalação dos […]

por Syngenta Digital
O que é 5G? Conectividade e digitalização no Brasil Voltar
O que é 5G? Conectividade e digitalização no Brasil
Celular com 5G próximo a uma antena

O 5G chegou ao Brasil e “a Anatel incluiu o compromisso de implantação dessa tecnologia em todos os municípios do país até 2029”. É o que explica o superintendente de planejamento e regulamentação da Agência Nacional de Telecomunicações, Nilo Pasquali. Segundo a lógica de instalação dos padrões tecnológicos anteriores, o processo começará pelas cidades, o que significa que o meio rural precisará esperar ainda mais. Mesmo assim, há projetos em curso para ampliar a cobertura de rede móvel e levar infraestrutura em conectividade para o campo, o maior entrave para a adoção em massa da agricultura digital no país.  

Neste texto, a Syngenta Digital discute as implicações da evolução tecnológica para o campo e reflete sobre as dificuldades enfrentadas pelos agricultores em relação à digitalização de suas operações.  
 

O que é o 5G? 


Quem utiliza smartphones provavelmente já está familiarizado com o 3G e o 4G, símbolos que representam a rede móvel de dados no topo da tela do celular. Naturalmente, há de se pensar que o 5G é uma evolução dos padrões tecnológicos anteriores. De fato, trata-se de uma nova gama de possibilidades para a transformação digital. Questionado pela Syngenta Digital, Nilo Pasquali explica que a 5ª geração da tecnologia trará: 

  • maior velocidade de conexão; 
  • redução da lacuna de qualidade de conexão entre pessoas com e sem acesso; 
  • o fim dos problemas de conexão em grandes eventos; 
  • uma conexão permanente e simultânea entre bilhões de dispositivos à rede. 

De acordo com o Espaço 5G, a página da Anatel dedicada à nova tecnologia, um dos modos de uso está relacionado à Internet das Coisas, a IoT. Com o avanço, será possível atender a um maior número de dispositivos, “levando a Internet das Coisas a um novo patamar de atendimento”.  

Conectividade rural: em que pé estamos?

 
Pouco adianta a chegada de um avanço tecnológico para produtores rurais que ainda trabalham offline. Segundo Nilo Pasquali, da Anatel, o Brasil ainda perde, em muito, para a densidade dos acessos de banda larga fixa dos países desenvolvidos e dispõe de uma velocidade média mais baixa. Por isso, a agência elaborou um Plano Estrutural de Redes de Telecomunicações, o PERT, que prevê, por exemplo:  

  • a construção de redes de fibra ótica em municípios não atendidos; 
  • a expansão do 3G e do 4G em municípios e rodovias 
  • A implantação de redes públicas essenciais para atendimento de órgãos públicos. 

É por isso que falar em 5G pode parecer distante demais para produtores com não contam sequer com o 2G ou 3G, padrões anteriores. Sem Internet, a digitalização e automação das operações agrícolas não acontece. O último Censo Agropecuário, realizado em 2017, comprova esse cenário, indicando uma cobertura extremamente baixa de banda larga no país – só 28% dos estabelecimentos rurais contavam com Internet naquele ano.   

Em relação ao 5G, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) informou à Syngenta Digital que “o primeiro piloto de antena 5G standalone (5G pura/autônoma) em área rural foi inaugurado em Rondonópolis (MT), no último dia 11 de maio [de 2021]”.

O objetivo do Mapa, em parceria com o Ministério das Comunicações, é lançar outros pilotos “que funcionarão como teste para a chegada, a curto prazo, das operações 5G no país pelas empresas de telecomunicações”.

Para a implementação do 5G no Brasil, será realizado leilão das frequências de operação da nova geração de internet móvel.

Homem mexendo no celular com velocidade 5G

Democratização do acesso entre pequenos e grandes  


Com infraestrutura de conectividade, o agricultor tem acesso a uma gama de possibilidades e pode associar a tecnologia ao seu processo produtivo. Internet das Coisas, big data, analytics, e ferramentas de sensoriamento e rastreamento estão entre as oportunidades. Esses investimentos podem tornar uma operação mais produtiva e competitiva.  

O resultado desse cenário? Um abismo entre aqueles que têm acesso à Internet e os que não têm. A chegada do 5G trará ainda mais melhorias para as operações conectadas, podendo intensificar o problema de desigualdade. É que os custos para a instalação de internet banda larga no meio rural é alto: segundo pesquisa realizada pelo BNDS, custos de instalação giram em torno de 500 mil reais e o agricultor precisaria ainda arcar com uma manutenção mensal de cinco mil reais. O estudo completa: “levar a conectividade para áreas de menor porte pode ser extremamente custoso para seus produtores, pois não há a escala mínima necessária para torná-la viável”.  

Uma das soluções para esse entrave está no cooperativismo. Segundo Silvia Masshurá, chefe geral da Embrapa Informática, produtores menores podem se associar em cooperativas para viabilizar a instalação em uma região.  

Para Adriano Morel, Analista de Agriculturas Digital da SLC Agrícola, as grandes empresas do agro brasileiro superaram as barreiras da conectividade, mas enfrentam outros desafios. “Agora, você enfrenta os efeitos dessa conectividade. Não é simplesmente ter conectividade, você precisa reestruturar sua empresa, todo o seu parque de máquinas, trabalhar com os servidores, com segurança cibernética”, explica. A qualificação da mão de obra para um cenário de conectividade também é uma questão: “O volume gerado de informações é gigantesco, você precisa também ter uma equipe treinada”, completa. 

O que podemos esperar do 5G no agro? 

Homem fazendeiro utilizando smartphone com 5G

“Se já estamos trabalhando com dados automáticos e suporte pra tomada de decisão no 4G, com a estabilidade e a velocidade do 5G, você vai começar a pensar em automação agrícola”, antevê Adriano Morel. O superintendente Nilo Pasquali confirma que a aplicação da Internet das Coisas ganhará força “especialmente na indústria e nas operações agrícolas”, conta. Com ela, será possível investir em uma maior automatização e utilização mais eficiente de sensores da lavoura.  

Leia sobre a Internet das Coisas aqui. 

Leia mais da categoria:

Posts
4 min de leitura
agtech_pragas.com_strider

Startup brasileira desenvolve inovações no setor de controle biológico

Nos últimos anos muitas agtechs chegaram ao mercado com inovações práticas para a agricultura, oferecendo soluções que atuam na eficiência, produtividade e que garantem maior rentabilidade aos produtores. No setor de controle biológico de pragas, por exemplo, a Pragas.com atua como provedora […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
pragas

Digital é aliado no acompanhamento migratório de pragas

O comportamento migratório das pragas é uma das grandes preocupações dos agricultores, que ficam atentos às fronteiras de seus talhões para o manejo da lavoura. Esse acompanhamento é essencial para entender o nível de infestação na área, permitindo ajustes no planejamento. “Os produtores têm que ficar bem atentos. […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
feira virtual

Webinar sobre agricultura digital marca Feira Virtual da Syngenta

A Syngenta adotou uma solução inovadora para continuar próxima ao agricultor, ainda que de forma remota. A companhia promove, desde abril, a Feira Virtual 360°, a primeira do universo agro. Com apenas alguns cliques, o produtor pode percorrer o stand […]

Leia na íntegra