Protector é aliado do cafeicultor no controle de pragas e doenças - Syngenta Digital Protector é aliado do cafeicultor no controle de pragas e doenças - Syngenta Digital
Protector é aliado do cafeicultor no controle de pragas e doenças - Syngenta Digital
Protector é aliado do cafeicultor no controle de pragas e doenças - Syngenta Digital Protector é aliado do cafeicultor no controle de pragas e doenças - Syngenta Digital Protector é aliado do cafeicultor no controle de pragas e doenças - Syngenta Digital Protector é aliado do cafeicultor no controle de pragas e doenças - Syngenta Digital

Protector é aliado do cafeicultor no controle de pragas e doenças

4 min de leitura

Tecnologias digitais como o Cropwise Protector possibilitam o controle mais eficiente de problemas na lavoura, mitigando riscos e erros na operação. No Brasil, a depender da região, as principais pragas da cultura são a broca-do-café, o bicho-mineiro e a cigarrinha, além dos nematoides e a doença fúngica ferrugem.  […]

por Syngenta Digital
Protector é aliado do cafeicultor no controle de pragas e doenças - Syngenta Digital Voltar
Protector é aliado do cafeicultor no controle de pragas e doenças - Syngenta Digital

Tecnologias digitais como o Cropwise Protector possibilitam o controle mais eficiente de problemas na lavoura, mitigando riscos e erros na operação. No Brasil, a depender da região, as principais pragas da cultura são a broca-do-café, o bicho-mineiro e a cigarrinha, além dos nematoides e a doença fúngica ferrugem. 

Regiões como a do maior produtor de café do país, Minas Gerais, sofrem com danos causados pela broca-do-café, como explica o Coordenador de Transformação Digital Silas Calazans. “O besouro faz furos no fruto e depois deposita as larvas lá dentro. Controlar isso dá um trabalho danado. Por isso, a prevenção com a varreção, para recolher frutos descartados na colheita, o monitoramento, além da aplicação de produtos de contato/ingestão e sistêmicos para proteção no período certo são muito importantes”, conta.  

mulher usando mascara plantacao de cafe

O bicho-mineiro, por sua vez, é mais danoso em áreas quentes e com chuvas irregulares, como na região do Cerrado, e pode reduzir em até 72% a produtividade da lavoura. As lagartas abrem espaços dentro da folha, que perde área fotossintética. Isso prejudica a produtividade, pois as plantas precisam investir mais energia na emissão de novas folhas. Já a cigarrinha se alimenta da seiva das raízes, impedindo a absorção de água e nutrientes. A praga destrói as folhas e seca as extremidades dos ramos. Em casos severos, o inseto é capaz de levar ao definhamento das plantas e diminuição da vida útil da lavoura.  

Com a adoção do Protector, o manejo de pragas e doenças se torna mais confiável e de fácil acesso, gerando rapidez na tomada de decisão. O monitoramento digital é georreferenciado e mostra o local exato com algum problema. A visão do trabalho de campo fica mais precisa e facilita a gestão de cada talhão. “O valor imediato é esse: saber o que a equipe está fazendo, o que monitorou, onde e como”, explica Calazans.  

Manejo prático e eficiente 

A Santo Aleixo usa o Protector em todo o ciclo do café, com foco no manejo de pragas e doenças. Juliano Moreira Tavares, Gestor Agrícola na Fazenda Santa Fé, conta que os mapas de calor ajudam no posicionamento dos pulverizadores. “Colocamos as máquinas onde tem maiores probabilidades de dar o problema para fazer a aplicação”, explica. 

Como tudo é inserido na plataforma digital, os produtores de café passam a contar também com um histórico dos talhões gerado automaticamente pelo sistema. Nada mais de horas fazendo planilhas: basta registrar tudo no tablet ou no celular e esperar as informações serem sincronizadas. Assim, a tecnologia digital reduz o tempo para decisões e ainda ajuda nos processos de certificação, que exigem dados precisos sobre várias operações. 

Tavares completa que os registros de clima, monitoramento e aplicações facilitam a criação de uma história daquele ano agrícola. “Sabemos se as pulverizações trouxeram resultados esperados, se o produto alcançou o objetivo, há uma série de coisas que traz benefícios”, conclui. 

Agronomo analisando o mapa de calor do café

NDVI na identificação de problemas 

O Índice de Diferença de Vegetação Normalizada (NDVI) revela se há regiões com perda de biomassa, estresse hídrico ou infestação de pragas e pode ser usado para gerar zonas de manejo. “Vários clientes pegam o histórico de NDVI das áreas e cruzam com mapas de produtividade e mapas de análise de solo para criar zonas de manejo e saber onde aplicar o fertilizante”, conta o Coordenador de Transformação Digital Silas Calazans.  

“As plantas são muito enfolhadas e respondem bem ao NDVI, que pode ser usado como direcionamento para o monitoramento”, completa Calazans. Outra preocupação com a cultura perene é a deficiência de nutrientes. “Por mais que a adubação seja bem-feita, como as lavouras duram vários anos, é importante sempre avaliar o solo e fazer a análise foliar para ações localizadas”, conclui. 

Saiba mais sobre o Cropwise Protector aqui

Leia mais da categoria:

Sem categoria
2 min de leitura
EVENTO AGRISHOW

Novidades Agrishow: Syngenta Digital lança funcionalidades exclusivas

Monitoramento digital de chuva, relatórios mais completos e histórico dos monitoramentos como em rede social estão entre as novidades. A Syngenta Digital retorna às grandes feiras do agronegócio e lançou, durante a Agrishow – feira internacional de Tecnologia Agrícola em Ação, realizada […]

Leia na íntegra
Sem categoria
4 min de leitura
Tablet para monitoramento agrícola

Agricultura digital: Protector llega a un importante grupo colombiano

Una operación agrícola más ha ganado eficiencia con la implementación de Protector en este momento desafiador de pandemia. La colombiana Agrícola Aliar cuenta con la herramienta hace alrededor de dos meses en 5.630 hectáreas y ha estado entrenando su equipo […]

Leia na íntegra