Pesquisa: mais de 70% dos agricultores brasileiros usam digital - Syngenta Digital
Pesquisa: mais de 70% dos agricultores brasileiros usam digital - Syngenta Digital Pesquisa: mais de 70% dos agricultores brasileiros usam digital - Syngenta Digital Pesquisa: mais de 70% dos agricultores brasileiros usam digital - Syngenta Digital Pesquisa: mais de 70% dos agricultores brasileiros usam digital - Syngenta Digital

Pesquisa: mais de 70% dos agricultores brasileiros usam digital

4 min de leitura

Os números são altos: 71% dos agricultores brasileiros utilizam ferramentas digitais. Parte significativa dos produtores do país lança mão de canais virtuais diariamente para situações relacionadas à operação agrícola, segundo um levantamento da consultoria empresarial McKinsey & Company, que traçou perfis do produtor rural com base nos níveis de digitalização […]

por Syngenta Digital
Pesquisa: mais de 70% dos agricultores brasileiros usam digital - Syngenta Digital Voltar
Pesquisa: mais de 70% dos agricultores brasileiros usam digital - Syngenta Digital
agricultores brasileiros
agricultores brasileiros

Os números são altos: 71% dos agricultores brasileiros utilizam ferramentas digitais. Parte significativa dos produtores do país lança mão de canais virtuais diariamente para situações relacionadas à operação agrícola, segundo um levantamento da consultoria empresarial McKinsey & Company, que traçou perfis do produtor rural com base nos níveis de digitalização de suas operações.

A pesquisa The Brazilian farmer’s mind in the digital era é resultado de entrevistas realizadas com cerca de 750 produtores em 11 estados do país. O estudo encontrou pelo menos cinco grupos comportamentais distintos de agricultores, levando em consideração fatores como cultura, tamanho da propriedade e faixa etária.

Agricultores brasileiros tecnológicos

agricultores brasileiros

O estudo destaca os agricultores mais jovens que se dedicam à produção de vegetais como um cluster aberto às tecnologias. Com propriedades um pouco menores quando comparadas às dos grandes produtores de cereais e fibras, os produtores da horticultura vêm investindo na digitalização e são chamados de Young farmers of fresh produce. 

O cenário é analisado por Hugo Shimada, Diretor Administrativo e um dos proprietários da Shimada Agronegócios, como resultado de uma nova forma de olhar para as culturas de hortifruti. “Na parte de tecnologia, as hortaliças ainda são vistas como cultura familiar, mas, aqui na região, não é assim, vemos como uma agricultura empresarial”, conta. 

À frente da diretoria, Shimada comanda as operações de culturas como alho, cenoura e beterraba. Segundo ele, a agricultura digital é fundamental para garantir a qualidade e evitar perdas nessas lavouras, já que são produtos com maior valor agregado. “Para você ter uma ideia, um hectare de alho, por exemplo, vale cerca de R$ 120 mil”, diz.

No entanto, o cluster mais tecnificado, de acordo com o levantamento da McKinsey deste ano, são os produtores à frente de grandes propriedades rurais nas novas fronteiras agrícolas brasileiras, Cerrado e MATOPIBA. 

Jovens e qualificados, eles são nomeados Tech-savvy farmers e fazem parte do grupo de agricultores brasileiros que mais investem em inovação e tecnologia. De acordo a McKinsey, 95% dos growers desse grupo contam com Internet em suas propriedades rurais. 

Engenheiro agrônomo e Especialista em Transformação Digital da Syngenta Digital, Jeremias do Nascimento afirma que esse movimento de digitalização começou com os grandes produtores, pelo tamanho da propriedade e pela necessidade da cultura. “O algodão, por exemplo, é uma cultura em que a qualidade é fundamental, e as ferramentas digitais são importantes para isso”, explica.   

No entanto, segundo o engenheiro agrônomo, esses early adopters têm contribuído para que médios produtores também percebam o valor das soluções digitais em uma operação agrícola. Para Jeremias do Nascimento, o grupo de tecnificados tende a crescer: “a gente percebe que os médios já estão de mobilizando pra adotar o digital”.

No caminho da digitalização

agricultores brasileiros

O grupo de maior relevância numérica — 34% dos entrevistados — é o de empresários dos grãos, chamado de Grains entrepreneus, . Trata-se de companhias agrícolas, com propriedades que vão a até 2.500 hectares e operações mais sofisticadas na região do Cerrado e no Nordeste do nosso país, cujo foco principal está no aumento da produtividade das lavouras de grãos.   

Entre os pequenos produtores, há aqueles que são mais maduros — mais de 55 anos — e que ainda não investiram na digitalização. O grupo Mature co-op members é composto pelos agricultores ligados a cooperativas que produzem cana-de-açúcar, café e grãos. Por fim, o estudo lista os Agri artisans, produtores de café mais maduros e conservadores em relação à tecnologia.  

Confira a pesquisa aqui

Leia mais da categoria:

Posts
4 min de leitura

Venda de café chega a 85% da safra 2017/2018

Foto: Globo Rural A comercialização de café no Brasil avançou sete pontos percentuais em um mês e chegou a 85% da safra 2017/2018. A informação é da consultoria Safras e Mercado, com base em dados compilados até o último dia […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
Fazenda vista do alto

Protector acelera tomada decisão em cliente do MS

Um dos principais benefícios da adoção de ferramentas digitais no campo é suportar e acelerar a tomada de decisão do produtor. Soluções que reúnem dados valiosos sobre a fazenda simplificam a análise e o cruzamento de informações, auxiliando em ações precisas […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
barter

Papo com Especialista: transformações digitais no barter

Apesar de tradicional, o barter vem seguindo as tendências da agricultura digital. No Papo com Especialista, o Gerente de Barter Brasil da Syngenta, Fernando Borba, traz exemplos de como a tecnologia foi incorporada ao processo, contribuindo para o avanço da […]

Leia na íntegra