Brasil deve colher 238,7 milhões de toneladas de grãos na safra 2016/17
Brasil deve colher 238,7 milhões de toneladas de grãos na safra 2016/17 Brasil deve colher 238,7 milhões de toneladas de grãos na safra 2016/17 Brasil deve colher 238,7 milhões de toneladas de grãos na safra 2016/17 Brasil deve colher 238,7 milhões de toneladas de grãos na safra 2016/17

Brasil deve colher 238,7 milhões de toneladas de grãos na safra 2016/17

4 min de leitura

A estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a safra de grãos 2016/17 é de 238,7 milhões de toneladas. Isso representa um crescimento de 27,9% em relação à safra 2015/16, ou seja, 52,1 milhões de t. A área plantada […]

por Syngenta Digital
Brasil deve colher 238,7 milhões de toneladas de grãos na safra 2016/17 Voltar
Brasil deve colher 238,7 milhões de toneladas de grãos na safra 2016/17

A estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a safra de grãos 2016/17 é de 238,7 milhões de toneladas. Isso representa um crescimento de 27,9% em relação à safra 2015/16, ou seja, 52,1 milhões de t. A área plantada é de 60,9 milhões de hectares, com elevação de 4,4% na comparação com a safra 2015/16.

A safra de soja, grão mais produzido no país, chegou a 114 milhões de t. A produção do milho primeira safra é de 30,46 milhões de t, com crescimento de 18,3% em relação à safra anterior. A colheita do milho segunda safra está em finalização, com estimativa de produção total de 67,25 milhões de t.

Houve uma redução de 9,5% na área cultivada de trigo. A produção deve chegar a 5,19 milhões de t. No Paraná, a colheita teve início e está em torno de 2% da área. Já no Rio Grande do Sul, as lavouras estão em transição da fase vegetativa (60%) para a fase reprodutiva (40%).

As condições climáticas proporcionam uma boa safra de algodão neste ano. A colheita está próxima do término, com produção de 1,53 milhão de t de pluma e 2,3 milhões de t de caroço.

O arroz foi beneficiado por condições climáticas favoráveis ao longo de todo o ciclo. Isso resultou na produção de 12,33 milhões de t.

O feijão primeira safra tem produção de 1,36 milhão de t, sendo 850,4 mil t de feijão-comum cores, 319,5 mil t de feijão-comum preto e 190,7 mil t de feijão-caupi. Na segunda safra de feijão, a produção chegou a 1,2 milhão de t, sendo 575,8 mil t de feijão-comum cores, 445 mil t de feijão-caupi e 180,2 mil t de feijão-comum preto.

A colheita da terceira safra de feijão está em andamento, com previsão de produção de 836,3 mil t em face do aumento de área (17,2%) e de produtividade (26%), sendo 750,7 mil t de feijão-comum cores, 77,6 mil t de feijão-caupi e 7,9 mil t de feijão-comum preto.

Os dados sobre esses produtos e demais grãos estão no 12º Levantamento da Safra 2016/2017 de Grãos, divulgado nesta terça-feira (12) pela Conab. A empresa faz o acompanhamento da safra brasileira de grãos há 40 anos. A metodologia empregada envolve trabalhos de campo, tecnologias relacionadas ao sensoriamento remoto, posicionamento por satélites, sistemas de informações geográficas e modelos estatísticos, agrometeorológicos e espectrais.

Leia também: A Internet Das Coisas (IoT) Chegou No Agronegócio.  Acompanhe nossas redes sociais em FacebookInstagramLinkedIn e Youtube.

Leia mais da categoria:

Posts
4 min de leitura

Produção de soja: saiba como torná-la mais eficiente

Tecnologias como softwares de gestão e de monitoramento já são realidade no agronegócio. De acordo com a Comissão Brasileira de Agricultura de Precisão, 67% das propriedades agrícolas do Brasil já fazem uso de algum tipo de tecnologia, seja na área […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
E-book: Guia Prático sobre tecnologia no campo

Como implantar uma tecnologia digital na fazenda? Veja o passo a passo

Levar tecnologias para dentro de um negócio é um processo delicado e precisa ser feito pensando em toda a operação, desde o plantio até a colheita. Considerando que todas as etapas da produção e pessoas que trabalham na fazenda são […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura

Produzir mais sem perder a qualidade. É possível?

“O agronegócio funciona um pouco como um jogo de azar em algumas situações, principalmente porque é muito vulnerável a uma variável que não se tem controle: o clima. E isso é só o começo dos problemas, mas nunca deve ser […]

Leia na íntegra