Commodities: uma forma de investir que vai além da lavoura
Commodities: uma forma de investir que vai além da lavoura Commodities: uma forma de investir que vai além da lavoura Commodities: uma forma de investir que vai além da lavoura Commodities: uma forma de investir que vai além da lavoura

Commodities: uma forma de investir que vai além da lavoura

4 min de leitura

A palavra “Commodity”, ou no plural “Commodities“, já faz parte do vocabulário do produtor agrícola. No inglês, a palavra significa “mercadoria” indicando que as commodities são produtos “in natura”, ou seja, em estado bruto ou primário que podem ser cultivados […]

por Syngenta Digital
Commodities: uma forma de investir que vai além da lavoura Voltar
Commodities: uma forma de investir que vai além da lavoura
Commodities

A palavra “Commodity”, ou no plural “Commodities“, já faz parte do vocabulário do produtor agrícola. No inglês, a palavra significa “mercadoria” indicando que as commodities são produtos “in natura”, ou seja, em estado bruto ou primário que podem ser cultivados ou de origem mineral.

Estes produtos podem ser estocados durante um determinado tempo sem que haja perda sensível de qualidade. Entre as commodities agrícolas estão a soja, o café, o algodão, o suco de laranja congelado e etc. Já entre as commodities de extração mineral temos o minério de ferro, o alumínio, o petróleo, o ouro, entre outros.

O mais interessante é que a forma de investir em commodities vai além da extração mineral ou do cultivo agrícola. Para te ajudar a entender um pouco mais sobre este mercado tão expressivo no Brasil, preparamos este post com tudo o que você precisa saber sobre o investimento em commodities.

As commodities no Brasil

O Brasil é um dos grandes destaques mundiais na produção de commodities devido à sua grande extensão territorial e riqueza de recursos naturais, isso explica o tamanho do impacto que este tipo de mercadoria tem na economia do nosso país.

Em 2014, as commodities já representavam 65% do valor das exportações brasileiras, segundo um levantamento da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD). As dez primeiras posições no ranking do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) de produtos mais exportados são ocupadas por commodities. Dessas dez, sete são do agronegócio. Em 2015, as exportações brasileiras somaram US$ 191 bilhões.

Como investir em commodities?

As commodities são produtos de consumo mundial, o que faz que elas tenham demanda contínua. Seus preços são determinados em consequência da oferta e procura global, e não da empresa que a produz, porque quando o assunto é commodity a “marca” em si não tem muita importância.

Como os olhos do mundo inteiro estão nas commodities, sua procura é muito alta, tornando-as uma boa opção de investimento. É possível investir em Commodities através do Mercado Futuro com contratos negociados na Bolsa de Valores.

Vamos criar uma situação hipotética para ilustrar uma negociação de commodities na Bolsa:

Você compra no Mercado Futuro um contrato de um grande produtor de soja, que se compromete a te entregar X sacas do produto em seis meses. Você, por outro lado, se compromete a pagar R$ 65 por saca. Antes do vencimento, você vende seus contratos a um preço superior a um interessado. Ao final desta negociação você poderá lucrar com a diferença entre o preço de venda e o de compra.

É assim que funcionam muitas negociações de commodities no Mercado Futuro.

O índice das Commodities

Os índices das Bolsas de Valores de todo o mundo servem como referência aos mercados. Um exemplo claro é o Ibovespa, o principal indicador do mercado de ações do Brasil. Até que, agora em junho de 2017 a BM&F Bovespa e a Cetip lançaram um índice próprio para as commodities, o Dow Jones/BM&F Commodity Index. O índice foi projetado para ser uma medida ampla do mercado brasileiro de commodities.

O Dow Jones leva em conta a variação das cotações das seguintes mercadorias:

  • Soja (SJC e SFI)
  • Milho (CCM)
  • Café Arábica (ICF e KFE)
  • Etanol Hidratado (ETH)
  • Boi Gordo (BGI)
  • Açúcar Cristal (ACF)
  • Ouro (OZ1)
  • Petróleo (WTI)

Será a queda ou a alta dos preços destas commodities que vai determinar as variações do índice.

Para Jodie Gunzberg, Diretora Geral e Chefe Global de Commodities da S&P Dow Jones Índices, “entender a dinâmica dos preços locais é importante para todos os participantes do mercado, desde produtores e processadores até fornecedores de serviços e financiadores da indústria de commodities.”

Gunzberg também afirmou que há grande entusiasmo pelo lançamento do índice, pelo fato do Brasil ser um grande produtor de muitas commodities. Segundo ela, o Dow Jones/BM&F Commodity Index fornece uma referência ampla e traz transparência aos movimentos de preços de commodities listadas na Bolsa brasileira.

Como você percebeu, é possível ganhar dinheiro até mesmo com culturas que você não planta. Se você é produtor de soja, por exemplo, pode lucrar com negociações de café ou vice-versa.

O Mercado Futuro tem um leque de oportunidades para quem pretende levar seus ganhos para um novo patamar que pode ir muito além da lavoura.

Leia também: LCA: conheça o investimento usado para financiar o agronegócio. Acompanhe nossas redes sociais em FacebookInstagramLinkedIn e Youtube.

Leia mais da categoria:

Posts
4 min de leitura
agricultura no Mato Grosso

Digital chega na agricultura no Mato Grosso para safra

Muitas fazendas do Mato Grosso já receberam o Cropwise Protector e contam com a agricultura digital para a safra 20/21. O processo de implantação, momento em que as equipes são treinadas para o uso do software, é adequado às necessidades do cliente. No […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura

Em busca da “fazenda perfeita”

A fazenda perfeita não existe, mas não é por isso que não se deve buscar a fazenda, ao menos, próxima da ideal no dia a dia. A agricultura é imprescindível para desenvolvimento econômico do Brasil e grande responsável por alimentar […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
joão borges

Jornalista João Borges confirmado no Digital Talks

O Digital Talks de 30 de junho, às 19h, já tem presença de nomes importantes confirmados. Um deles é João Borges, jornalista especializado em economia e Diretor de Comunicação da Febraban, a Federação Brasileira de Bancos. Ele também contribui para veículos de imprensa como […]

Leia na íntegra