Estresse térmico, o inverno vem aí! - Syngenta Digital
Estresse térmico, o inverno vem aí! - Syngenta Digital Estresse térmico, o inverno vem aí! - Syngenta Digital Estresse térmico, o inverno vem aí! - Syngenta Digital Estresse térmico, o inverno vem aí! - Syngenta Digital

Estresse térmico, o inverno vem aí!

4 min de leitura

Com os termômetros despencando nos próximos meses, em algumas regiões, é hora dos produtores rurais ficarem de olho no estresse térmico. Estresse térmico e seus impactos Há poucos dias para o começo do inverno, que começa oficialmente no dia 21 de Junho, chega o momento em […]

por Luisa Torres
12 de junho de 2021
Estresse térmico, o inverno vem aí! - Syngenta Digital Voltar
Estresse térmico, o inverno vem aí! - Syngenta Digital

Com os termômetros despencando nos próximos meses, em algumas regiões, é hora dos produtores rurais ficarem de olho no estresse térmico.

geada_cana_strider
Quedas bruscas na temperatura prejudicam o desenvolvimento das plantas

Estresse térmico e seus impactos

Há poucos dias para o começo do inverno, que começa oficialmente no dia 21 de Junho, chega o momento em que os produtores devem ter a atenção redobrada aos impactos provocados pelo estresse térmico em suas lavouras. É que durante a estação mais gelada no ano, as temperaturas caem e o fotoperíodo, tempo em que as plantas ficam expostas à luz, se altera já que no inverno os dias se tornam mais curtos e as noites mais longas. Essa combinação interfere radicalmente no comportamento das plantas, comprometendo até a semeadura.

Baixas temperaturas do solo promovem o congelamento dos tecidos das sementes, inibindo a germinação uniforme, causando graves problemas de população e estande de plantas.

Caso o agricultor não dê a devida atenção as lavouras, ele pode enfrentar perdas severas e grandes prejuízos financeiros. Diante desse cenário é importante garantir que os cuidados diários sejam adaptados para que as plantas passem pelo período com o mínimo de estresse possível.

Mas você sabe como combater o estresse térmico? Saiba quais são os tipos de manejo que podem te ajudar.  

Para o estresse térmico, prevenir é a melhor solução! 

Para enfrentar períodos críticos de frio e seca, é muito importante que as plantas sejam preparadas. Isso faz com elas que sofram menos e tenham um potencial maior recuperação, reduzindo as chances de perda de produtividade.

Apesar de não termos o total controle das condições climáticas adversas que o inverno traz, algumas adaptações nos manejos poderão ser grandes aliadas para minimizar os impactos nas lavouras. 

Irrigação 

Com a irrigação nos momentos corretos é possível amenizar os danos causados pelas geadas. A água depositada sob a planta funciona como uma camada protetora, evitando que o congelamento do tecido vegetal ocorra. Toda essa adaptação deve ser feita com muita cautela, uma vez que se a irrigação for realizada muitas horas antes da ocorrência da geada, poderá potencializar ainda mais os danos. 

Com a irrigação é possível amenizar os efeitos de uma geada
Com a irrigação é possível amenizar os efeitos de uma geada

Nebulização artificial 

Aplicar uma camada de neblina sobre a cultura para reduzir a perda de energia pela a superfície, equilibrando a temperatura e evitando assim o resfriamento intenso que danifica as plantas.

Nutrição 

Uma boa nutrição é essencial para que as plantas possam suportar melhor as condições de estresse e tenham boas condições de recuperação. Assim, devemos sempre ter um bom planejamento e o fornecimento constante de nutrientes, amenizando os danos e consequentemente reduzindo perdas na produtividade. 

Coberturas 

As coberturas reduzem a radiação efetiva da superfície do solo, das plantas e as perdas de calor. Essas coberturas irão variar de acordo com cada cultura, estágio e materiais e investimentos disponíveis.  

Adição de calor 

Para contornar as baixas temperaturas, quando possível em algumas plantações são colocados pontos de calor através da queima de um material combustível que vai aquecer o ambiente deixando a temperatura menos crítica.  

Instalação de quebra-ventos 

Quando possível, instalar barreiras físicas que diminuirão os efeitos provocados pelas massas de ar frio em deslocamento para as lavouras. 

Ventilação mecânica 

Utilizar ventiladores mecânicos com o intuito de misturar o ar da atmosfera mais quente (acima) com o ar mais frio (abaixo). Isso é possível devido a inversão térmica presente nas noites de inverno. Esse método, porém, tem uma limitação, sendo recomendado para pequenas áreas. 

De olho no tempo!  

O clima é sempre uma preocupação para qualquer agricultor. Por isso, é importante ficar sempre de olho nas previsões do tempo. Ter a informação prévia de possíveis eventos de quedas bruscas das temperaturas e geadas fazem toda a diferença para realizar os manejos preventivos, evitando o sofrimento das lavouras. 

Texto escrito por Tatiane Cravo , nossa especialista em transformação digital

Leia também: Saiba sobre os riscos do frio para a agricultura

Leia mais da categoria:

Posts
4 min de leitura

#WeConnectAg: estamos vivendo a quarta revolução agrícola?

“A vida dos agricultores será mais fácil”, crava Joshua Miller sobre o futuro do agricultura. O jovem norte-americano era estudante na Universidade Duke em 2014, quando fundou a FarmShots, uma das agtechs que deu origem à Syngenta Digital. A plataforma […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
Setor agropecuário

Setor agropecuário foi o de maior crescimento em 2017

A agricultura novamente é destaque no crescimento econômico do Brasil e foi o setor que mais cresceu em 2017. Com o melhor resultado da série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), iniciada em 1996, segmento cresceu 13%. […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
agricultura digital

A agricultura digital a favor dos negócios

Por Fernando Rossetti para Grupo Cultivar  A economia brasileira depende diretamente do agronegócio. Porém, o solo fértil de, aproximadamente, 400 milhões de hectares ainda não é totalmente explorado. Riquezas e taxas de produção podem ser muito mais incrementadas, já que […]

Leia na íntegra