Mais fôlego para a aviação agrícola mostrar seu potencial
Mais fôlego para a aviação agrícola mostrar seu potencial Mais fôlego para a aviação agrícola mostrar seu potencial Mais fôlego para a aviação agrícola mostrar seu potencial Mais fôlego para a aviação agrícola mostrar seu potencial

Mais fôlego para a aviação agrícola mostrar seu potencial

4 min de leitura

Por Gabriel Colle (Sindag) O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) publicou em abril a Circular nº 18/2018 da Superintendência da Área de Operações Indiretas (SUP/AOI), anunciando a criação do programa BNDES Agro. O documento também comunicou aos agentes […]

por Syngenta Digital
Mais fôlego para a aviação agrícola mostrar seu potencial Voltar
Mais fôlego para a aviação agrícola mostrar seu potencial

Por Gabriel Colle (Sindag)

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) publicou em abril a Circular nº 18/2018 da Superintendência da Área de Operações Indiretas (SUP/AOI), anunciando a criação do programa BNDES Agro. O documento também comunicou aos agentes financeiros os critérios e procedimentos para financiamentos, entre outras coisas, da compra de aeronaves agrícolas por parte de empresas do setor. A possibilidade de financiamento para operadores aeroagrícolas era uma das demandas levadas pelo Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag) ao Ministério da Agricultura, que fez a interlocução com o banco.

Pelas regras gerais do programa, que vai até o final de junho, os financiamentos poderão ser de até 80% dos bens e o prazo para pagamento pode ser de até 12 anos, incluído prazo de carência de até três anos. A contratação dos financiamentos será via BNDES Automático ou BNDES Finame, conforme o caso. A expectativa é de que a medida ajude a alavancar a frota aeroagrícola brasileira, que tem 2.115 aeronaves (segundo a Anac) e experimentou um aumento de 1,5% em 2017. Ano em que a safra de grãos no País teve um aumento de quase 30% em relação ao ano anterior.

Apesar da expectativa no campo para 2018 ser de leve recuo na produção – considerando que o recorde de 2017 veio principalmente das excelentes condições climáticas do ano, o setor aeroagrícola sempre apostou em seu potencial como contribuinte de produtividade. Isso pela eliminação das perdas por amassamento, não compactação do solo, velocidade e outras vantagens técnicas, além do fato de que, pela terceirização, deixa o produtor com mais fôlego para investir em outras frentes.

Porém, apesar do BNDES Agro suprir em parte uma carência que nos últimos anos impediu a aviação de crescer em ritmo mais próximo dos bons resultados do campo, ainda há um tema de casa a ser feito. Trata-se de ampliar o crédito para equipamentos importados, que completam a alta tecnologia embarcada das aeronaves. Possibilidade ventilada em uma reunião ocorrida em 18 de maio entre o Sindag e a Área de Operações Indiretas: tecnicamente é possível. Por isso, o sindicato aeroagrícola deve agora elaborar um estudo de mercado comprovando a necessidade dos equipamentos.

Leia tambémFrota Aeroagrícola Brasileira Chega A 2.115 Aeronaves. Acompanhe nossas redes sociais em FacebookInstagramLinkedIn e Youtube.

Leia mais da categoria:

Posts
4 min de leitura

Saiba o que é a cotésia e como utilizá-la no combate à broca da cana de açúcar

Atualmente o uso de agentes biológicos para o combate de pragas está sendo amplamente difundido. Isto ocorre porque esta é uma forma de combate eficaz, quase livre de manutenções e com preços muito mais favoráveis. Além disso, toda a sua […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
Protector

Fazendas já usam nova versão do Cropwise Protector

Em busca de dados confiáveis e agilidade, muitos produtores adotam em sua operação o Cropwise Protector, ferramenta de agricultura digital que aposentou a caderneta de papel em lavouras de todo o país. Presente em milhões de hectares pelo mundo, a […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
Larvas na plantação

Por que monitorar pragas de solo da cana-de-açúcar?

Conhecidas como pragas de solo, estes insetos vivem subterraneamente ou na superfície, se alimentando das raízes da cana-de-açúcar e danificando as mudas cultivadas. Os ataques podem gerar mau desenvolvimento das plantas, redução da quantidade do caldo e até perda da […]

Leia na íntegra