Tecnologia de sensoriamento remoto: o que é e como utilizar - Syngenta Digital
Tecnologia de sensoriamento remoto: o que é e como utilizar - Syngenta Digital Tecnologia de sensoriamento remoto: o que é e como utilizar - Syngenta Digital Tecnologia de sensoriamento remoto: o que é e como utilizar - Syngenta Digital Tecnologia de sensoriamento remoto: o que é e como utilizar - Syngenta Digital

Tecnologia de sensoriamento remoto: o que é e como utilizar

6 min de leitura

Hoje em dia, o campo é um lugar tecnológico e conectado. Foram incorporadas ferramentas emaquinário de ponta à gestão das propriedades agrícolas e isso está mudando a história daagricultura. Sendo assim, as evoluções na área de sensoriamento remoto – com […]

por Syngenta Digital
Tecnologia de sensoriamento remoto: o que é e como utilizar - Syngenta Digital Voltar
Tecnologia de sensoriamento remoto: o que é e como utilizar - Syngenta Digital
Tecnologias de sensoriamento remoto

Hoje em dia, o campo é um lugar tecnológico e conectado. Foram incorporadas ferramentas e
maquinário de ponta à gestão das propriedades agrícolas e isso está mudando a história da
agricultura.

Sendo assim, as evoluções na área de sensoriamento remoto – com a utilização de satélites,
drones e aeronaves, por exemplo, permitiu colocar à disposição dos produtores um universo de
informações e possibilidades para trabalhar com mais assertividade e lucratividade.

Há 20 anos, grande parte dos produtores jamais imaginou ter disponível esse tipo de tecnologia
para seu negócio, mas atualmente, as tecnologias se tornaram mais acessíveis e agora são
uma realidade na vida dos agricultores.

O que é sensoriamento remoto?

O sensoriamento remoto é uma tecnologia que permite a obtenção de imagens e dados da
superfície terrestre através da captação e registro da energia refletida/emitida pela superfície
sem que haja contato físico. Com isso, é possível:

  • Fazer a previsão de desastres naturais;
  • Realizar a análise de cultivos agrícolas;
  • Fazer o planejamento urbano;
  • Entre outras aplicações.

Assim, utiliza-se um dispositivo aéreo, que pode ser um avião, satélite, drone e outros para tirar
fotos de uma área específica e capturar informações em diversas faixas espectrais, incluindo
infravermelho, ultravioleta e radar.

A tecnologia do sensoriamento remoto

O campo hoje é um lugar tecnológico e conectado

Na visão de Rafael Almeida, Arquiteto de Software do setor de Pesquisa e Desenvolvimento da
Strider*, três fatores foram essenciais para que o sensoriamento remoto se tornasse uma
tecnologia mais acessível ao agronegócio, são eles:

  • Redução do custo;
  • Melhora nas resoluções das imagens;
  • Aumento da frequência temporal

Microssatélites

Algumas invenções como os “microssatélites”, por exemplo, marcaram uma baixa de custo
deste tipo de tecnologia. “Mesmo que tenham vida útil menor, porque depois de um tempo eles
caem na terra de novo, enquanto estão no ar eles conseguem enviar muitas imagens para a
base”, afirma.

Softwares agrícolas

O Arquiteto conta que, para desenvolver alguns softwares agrícolas, são utilizados os serviços
de duas classes de satélites, o projeto Landsat – da Agência Espacial Americana e que é
dedicado à observação dos recursos naturais terrestres – e da Planet, uma provedora de
satélite comercial.

Os investimentos da Planet, que possui várias constelações em órbita, possibilitaram uma
melhora considerável na resolução das imagens geradas pelos satélites. “Quando falamos em
constelação significa que a empresa tem vários satélites de um mesmo projeto e que foram
lançados ao mesmo tempo em órbita”, explica Almeida.

Resolução de tempo

Por último, a resolução temporal também é um dos fatores que contribuíram muito para o uso
dos satélites na agricultura.

“Com a maior quantidade de satélites em órbita, a frequência de revisitação aumentou. As
imagens do Landsat chegam em média a cada 16 dias, sincronizado com o horário da terra. Já
no caso da Planet varia porque a empresa tem muitos satélites, então pode ser a cada um dia
ou a cada dois dias – no caso do tempo de revisitação”, conta Rafael.

O campo hoje é um lugar tecnológico e conectado, dessa forma, o aumento da frequência
temporal, a baixa de custo e a melhor resolução das imagens foram algumas das revoluções
que permitiram aplicações que antes não eram possíveis na agricultura.

Por que a tecnologia de sensoriamento remoto se tornou uma poderosa aliada do agronegócio?

As vantagens variam de cultura para cultura, mas na cana-de-açúcar, por exemplo, é bem difícil
andar pela lavoura para fazer um monitoramento adequado.

Por meio de imagens geradas por satélites e drones, os produtores conseguem ver exatamente
o que está acontecendo na lavoura. Com a análise das imagens em mãos, ele pega as
coordenadas e vai agir só naquele foco.

Conforme explica Rafael Souza, Coordenador de Desenvolvimento de Produto da Strider, as
imagens facilitam a apuração de problemas em lugares remotos.

“Se tem uma imagem de satélite com problema de biomassa, praga, ou planta daninha em um
local totalmente remoto, que a probabilidade de uma pessoa passar ali é pequena, consegue
diagnosticar e agir naquele ponto”, relata.

Vantagens da tecnologia de sensoriamento remoto

Por meio da tecnologia, o produtor sabe que está acontecendo algum problema e faz um
levantamento para quantificar a praga e o potencial de destruição dela. Em um terceiro
momento, ele consegue utilizar o drone para fazer uma aplicação localizada, se for o caso.

“O drone faz uma aplicação praticamente cirúrgica. Aplica-se determinado produto naquele
local e resolve-se o problema de uma vez, sem precisar gastar uma fortuna de dinheiro em
máquina ou em defensivos”, relata Souza.

Além da funcionalidade e economia que o sensoriamento remoto representa para a agricultura,
existe também o fator praticidade.

Não é preciso alocar um operador ou uma máquina que consome muito combustível, não é
necessário ter toda a mecânica para uma aplicação específica, basta usar um drone e fazer
automaticamente.

Tecnologia de sensoriamento remoto para calcular o IPTU

Os mapas aéreos para cálculo do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) em algumas
cidades são feitos por meio de aerolevantamento. A tecnologia de sensoriamento remoto
permite aos aviões sobrevoar as áreas a serem medidas e identificar construções que sofreram
algum tipo de alteração.

Dessa forma, o órgão responsável pelo recolhimento analisa as mudanças e envia um técnico
apenas às propriedades em que o levantamento apontou alteração para validar a ampliação.

Leia mais notícias e novidades no Blog

*A Strider agora é Syngenta Digital. A agtech mineira foi adquirida pela Syngenta em 2018, e a
fusão foi concluída dois anos depois. A Syngenta Digital é parceira de milhares de produtores
agrícolas pelo mundo por meio de tecnologias de gestão e tomada de decisão.

Quer ficar por dentro das últimas novidades em tecnologia agrícola, sensoriamento remoto e
outras soluções digitais para o campo? Então, não deixe de acompanhar o blog da Syngenta
Digital.

Além de artigos como este, nosso blog oferece uma variedade de conteúdos, desde entrevistas
com especialistas até dicas e soluções para aumentar a produtividade e a sustentabilidade.

Leia mais da categoria:

Cultura Mercado e tendências
6 min de leitura
muitos grãos de soja juntos

Você sabia? Para onde vai a soja produzida no Brasil

A alta cotação da soja nos últimos anos transformou a oleaginosa na principal culturabrasileira, com uma área que corresponde a 49% do cultivo de grãos no país. O cultivo,que chegou tímido ao Brasil nos anos 1970, tem ocupado cada vez […]

Leia na íntegra

Biotecnologia: conheça 3 novidades para cana-de-açúcar

por Osania Ferreira Quando se fala em produtividade agrícola, levamos em conta dois fatores importantes: a genética e o ambiente de produção. Atualmente, o melhoramento de plantas é essencial para aumentar a produção global de alimentos em culturas como soja, […]

Leia na íntegra

Entrevista com SJC

Crescimento sustentável com alta eficiência, baixo custo e produtos de maior valor agregado. É desta forma que a SJC Bioenergia pretende produzir açúcar, etanol de cana e milho e seus coprodutos nos próximos anos. Localizada em Goiás, a empresa possui […]

Leia na íntegra