Você sabe realizar o manejo adequado da irrigação?
Você sabe realizar o manejo adequado da irrigação? Você sabe realizar o manejo adequado da irrigação? Você sabe realizar o manejo adequado da irrigação? Você sabe realizar o manejo adequado da irrigação?

Você sabe realizar o manejo adequado da irrigação?

4 min de leitura

Normalmente, o plantio da soja tem sincronia com período chuvoso, contribuindo para a germinação e emergência. Mas neste artigo, abordaremos alguns pontos sobre o processo de irrigação, visando cultivos mais específicos de soja, pois a irrigação é um investimento relativamente […]

por Syngenta Digital
Você sabe realizar o manejo adequado da irrigação? Voltar
Você sabe realizar o manejo adequado da irrigação?
Banner produzindo mais - Irrigação

Normalmente, o plantio da soja tem sincronia com período chuvoso, contribuindo para a germinação e emergência. Mas neste artigo, abordaremos alguns pontos sobre o processo de irrigação, visando cultivos mais específicos de soja, pois a irrigação é um investimento relativamente elevado.

O manejo adequado da irrigação resulta em aumento da produtividade e da qualidade do produto, em planejamento e escalonamento da atividade, em maior eficiência dos fertilizantes, em diminuição dos riscos, etc.

Ao iniciar um projeto de irrigação, deve-se ter em mente, por exemplo, aumentar a produtividade, economizar trabalho e água, minimizar a deterioração da estrutura do solo e a perda de nutrientes. Existem alguns princípios básicos úteis ao planejamento e monitoramento do projeto de irrigação, tais como:

a) A razão entre a água evapotranspirada pela cultura e a aplicação da irrigação, deve aproximar-se da unidade para que se tenha eficiência otimizada da irrigação;

b) A tensão máxima que se deve permitir de água no solo, sem comprometimento da produção, é aquela em que há suficiente absorção d’água pela planta, de modo a prevenir a progressiva deficiência hídrica (evitar ponto de murcha!);

c) Em geral, práticas preventivas e, ou, culturais como o uso de cobertura morta, horário da irrigação, práticas conservacionistas, etc, levam à economia na irrigação;

d) A água filtrada abaixo da zona radicular deve ser retirada por drenagem natural ou artificial;

e) Deve-se atentar para a qualidade da água de irrigação. De forma prática, a quantidade de sal trazida pela água de irrigação deve ser contrabalançada pela quantidade removida na água de drenagem.

De forma geral, a necessidade de água é maior durante os estágios fisiológicos de germinação e crescimento vegetativo. A maioria das plantas requer um período seco para o desenvolvimento das gemas florais. A seguir, após indução e diferenciação floral, a necessidade de água aumenta novamente.

O projeto de irrigação deve responder às perguntas: quando, quanto e como irrigar? Não existe um único projeto que responda, para as diferentes culturas, solos, climas, etc., economicamente e de forma simultânea às três perguntas. Diferentes métodos e adaptações são necessários.

Assim, a escolha do método de irrigação a ser usado em cada situação deve ser baseada na viabilidade técnica e econômica do projeto e nos seus benefícios sociais, não perdendo de vista a qualidade ambiental.

Os principais métodos de irrigação são em superfície, por aspersão e localizada, sendo a por aspersão a mais usada para culturas anuais como a soja.  

sprinkler-498514_1920(Irrigação por aspersão)

A irrigação por aspersão simula a chuva, ou seja, é aspergida sobre a cultura por meio de equipamentos denominados aspersores, que requerem uma pressão de funcionamento, suprida por motobombas ou pela força da gravidade. Os sistemas de irrigação por aspersão ou localizada podem ser fixos ou móveis.

Na irrigação por aspersão, deve-se projetar lembrando-se da altura final da cultura em relação aos aspersores; o dimensionamento do projeto de irrigação por aspersão envolve a definição do número de aspersores, medição da pressão requerida para seu funcionamento e adequação por meio de gravidade ou motobombas; é necessário verificar se a distribuição da água de irrigação está, além de suficiente,  homogênea em todo o terreno e, caso contrário, corrigir.

Por Marihus Altoé Baldotto  – Professor da Universidade Federal de Viçosa

Leia outros artigos da série produzindo mais aqui.   Acompanhe nossas redes sociais em FacebookInstagramLinkedIn e Youtube.

Leia mais da categoria:

Especial Solos
4 min de leitura
Especial Solos_Strider

Busca por melhora na nutrição das plantas motiva pesquisas com biofertilizantes

Por Marihus Altoé Baldotto Para abordar a Fertilidade do Solo passo a passo, com manejo conservacionista, de prevenção, e de restituição, colocamos em discussão a busca por novos fertilizantes. Por isso, nosso grupo de pesquisa atua na adubação, fisiologia e […]

Leia na íntegra

5 formas de controle das plantas daninhas

Em nosso último artigo falamos sobre as plantas daninhas, ou concorrentes, que atacam também as lavouras de café. Cada cultura tolera conviver com determinada população de plantas concorrentes sem que um nível de dano econômico seja atingido. A partir deste […]

Leia na íntegra
Especial Solos Posts
4 min de leitura
Uso inadequado do solo tem levado à sua degradação

Bactérias promotoras de crescimento vegetal na busca pela sustentabilidade

Por Marihus Altoé Baldotto Buscamos o aumento da absorção de nutrientes pelas plantas de forma equilibrada. E, de fato, o uso de substâncias bioestimulantes isoladas de resíduos orgânicos compostados, combinadas com simbiontes (insumos biológicos) aumenta a eficiência do uso de […]

Leia na íntegra