Determinando a qualidade do café Determinando a qualidade do café
Determinando a qualidade do café
Determinando a qualidade do café Determinando a qualidade do café Determinando a qualidade do café Determinando a qualidade do café

Determinando a qualidade do café

4 min de leitura

A determinação da qualidade do café brasileiro compreende duas fases distintas de classificação: por tipos ou defeitos e pela bebida. Os cafés são, ainda, classificados por peneira, cor, torração e descrição. A classificação por tipos ou defeitos dos grãos envolve […]

por Syngenta Digital
Determinando a qualidade do café Voltar
Determinando a qualidade do café
Produzindo +

A determinação da qualidade do café brasileiro compreende duas fases distintas de classificação: por tipos ou defeitos e pela bebida. Os cafés são, ainda, classificados por peneira, cor, torração e descrição.

A classificação por tipos ou defeitos dos grãos envolve aqueles intrínsecos (pretos, ardidos, verdes, chochos, mal granados, quebrados e brocados) e extrínsecos (cascas, paus, pedras, cafés em coco ou marinheiros) encontrados na amostra, a partir de uma tabela de equivalência de grãos imperfeitos e impurezas.

Para conhecer a qualidade  do café, é realizada a prova da xícara. O provador avalia especialmente sabor e aroma. A denominação das sete escalas de bebida indica, em ordem decrescente a qualidade (e o preço!). A cor também dá indicação forte da qualidade do café. O produtor deve atentar para que a colheita seja no ponto adequado, de café maduro, cereja, pois o verde é um defeito.

Não adianta fazer tudo certinho na colheita e equivocar-se na torração. Ela deve ser fina, com coloração uniforme e no ponto adequado. Os grãos verdes e ardidos destoarão, ficando amarelados e carbonizados, respectivamente. Portanto, depreciam a qualidade. Cuidado especial com o café despolpado, para que tenha uma torração característica, sem a presença de película prateada na ranhura dos grãos.

Finalmente, a classificação da peneira, separa os grãos pela forma e pelo tamanho. As peneiras têm diâmetros e formas: podem ser oblongos, para separar os cafés mocas, ou circulares, para separar os cafés chatos. Terminando com as peneiras para separação dos grãos mocas.

Como vimos, a cafeicultura envolve várias etapas e a cada dia aprendemos mais, para atender o consumidor deste novo milênio, exigente, mas justo, disposto a pagar melhor por qualidade, preservação e prestação de serviços ambientais e produção por seres humanos em condições dignas de trabalho.

Por Marihus Altoé Baldotto  – Professor da Universidade Federal de Viçosa

Leia outros artigos da série produzindo mais aqui.   Acompanhe nossas redes sociais em FacebookInstagramLinkedIn e Youtube.

 

Leia mais da categoria:

Especial Produzindo Mais
4 min de leitura
Feijão Brotando do solo

Soja: primeiros passos para um plantio eficiente

No artigo anterior verificamos que as sementes são o insumo vivo, biológico, fundamental para o cultivo. A escolha da cultivar e a qualidade do propágulo garante boa parte do sucesso no manejo integrado da cultura da soja. Mas, após a […]

Leia na íntegra
Produzindo mais - Lidando com plantas daninhas

Plantas daninhas no café?

Assim como em outras culturas, no plantio do café podem ocorrer infestações de plantas que crescem espontaneamente na lavoura e concorrem por água, luz e nutrientes. Estas plantas daninhas – ou concorrentes – devem ter sua população controlada. E para […]

Leia na íntegra
Produzindo mais - Plantas invasoras

Conheça as plantas invasoras que podem prejudicar a lavoura

As plantas que crescem espontaneamente na lavoura e concorrem por água, luz e nutrientes com a planta cultivada devem ter sua população controlada. Têm sido denominadas invasoras, daninhas, etc. Em nosso artigo, escolhemos o termo concorrentes para designá-las. Para a […]

Leia na íntegra