Fungos entomopatogênicos: saiba tudo sobre destruidor de pragas - Syngenta Digital
Fungos entomopatogênicos: saiba tudo sobre destruidor de pragas - Syngenta Digital Fungos entomopatogênicos: saiba tudo sobre destruidor de pragas - Syngenta Digital Fungos entomopatogênicos: saiba tudo sobre destruidor de pragas - Syngenta Digital Fungos entomopatogênicos: saiba tudo sobre destruidor de pragas - Syngenta Digital

Fungos entomopatogênicos: saiba mais sobre o agente biológico de combate às pragas

10 min de leitura

Ter um aliado contra doenças e pragas é uma necessidade nas propriedades rurais. Com o passar dos anos, o número de problemas ligados a esses patógenos aumentou, gerando maior preocupação entre os produtores. Mas é aqui que entram os fungos […]

por Giovanna Vallin
04 de maio de 2022
Fungos entomopatogênicos: saiba tudo sobre destruidor de pragas - Syngenta Digital Voltar
Fungos entomopatogênicos: saiba tudo sobre destruidor de pragas - Syngenta Digital
Fungo Nomuraea rileyi atuando na larva

Ter um aliado contra doenças e pragas é uma necessidade nas propriedades rurais. Com o passar dos anos, o número de problemas ligados a esses patógenos aumentou, gerando maior preocupação entre os produtores. Mas é aqui que entram os fungos entomopatogênicos!

O que muitos não sabem é que os fungos entomopatogênicos são ótimos inimigos naturais de pragas, passando despercebidos em diferentes ocasiões. Pensando em esclarecer mais sobre tais agentes biológicos, preparamos um guia no qual explicamos sobre eles, as espécies principais e muito mais. Confira! 

Fonte da imagem de capa: Embrapa.

O que são os fungos entomopatogênicos?

Os fungos entomopatogênicos são agentes de controle biológico, capazes de colonizar diferentes tipos de pragas. Eles causam a chamada epizootia, que pode levar à morte do patógeno, mas pode também interferir nos hábitos alimentares e reprodução deles. Tais tipos de fungos também são popularmente conhecidos por inseticidas microbianos ou biopesticidas. Os principais exemplares são o Beauveria bassiana e Metarhizium anisopliae. Eles são as espécies mais estudadas e também aplicadas no controle de pragas, em diferentes tipos de culturas.

Como os fungos atuam?

Como dito, a atuação dos fungos ao infectar as pragas é a de induzir a redução alimentar do hospedeiro, o que leva a uma lentidão nos movimentos do hospedeiro. 

Consequentemente, o corpo do inseto que sofre o ataque fica coberto pelo fungo. Cabe destacar, que esses agentes benéficos estão presentes naturalmente em diferentes áreas de cultivo, como da soja, algodão, citrus, entre outras. 

A contaminação depende especialmente da capacidade de adesão e penetração que acontece no tegumento do hospedeiro. Além disso, enzimas extracelulares são produzidas para auxiliar na degradação do tegumento do inseto. 

Uma característica importante é que os fungos têm o costume de crescer rapidamente e produzir toxinas que evitam a resposta imune do contagiado. A partir do momento em que emerge no corpo dos insetos, produzindo esporos, eles são conduzidos pelo vento, chuva, ou mesmo outros insetos, espalhando a infecção por toda a área. Cabe também destacar que a atuação dos fungos entomopatogênicos também depende da umidade para infectar as pragas. Isso porque as epizootias naturais são mais comuns em períodos nos quais o clima está mais quente e úmido. O sucesso na utilização desses agentes de controle biológico dependerá diretamente do estágio de vida do inseto também. Ou seja, os dois fatores precisam coexistir para que haja eficácia no processo.

Por que a sua utilização é tão importante?

Colônia do fungo entomopatogênico Beauveria bassiana
Colônia do fungo entomopatogênico Beauveria bassiana. Fonte: Embrapa

Há uma crescente demanda por defensivos agrícolas na agricultura. Com o passar dos anos, o controle de doenças e pragas se tornou ainda mais desafiador, visto que os patógenos têm mostrado resistência às moléculas presentes nos produtos químicos do mercado.  

Isso preocupa não só produtores, mas também técnicos e pesquisadores. O uso de fungos então vem como uma alternativa de controle de pragas nas áreas produtivas, sendo uma opção interessante e eficaz com menor impacto ambiental, mas também um custo reduzido se comparados a outras opções.  Outro fator a ser considerado é que a maioria dos insetos são suscetíveis aos fungos entomopatogênicos. Espécies como o Entomophthora costumam afetar insetos em grupos específicos. Já o Beauveria possui um amplo espectro de contágio em hospedeiros, como besouros, lagartas, percevejos e outros.

Quais os principais fungos entomopatogênicos e suas aplicações?

Existem diferentes tipos de fungos entomopatogênicos, consequentemente, eles atacam variadas pragas agrícolas. Saiba quais são os principais a seguir!

Entomophthora muscae

O Entomophthora muscae é uma espécie pertencente à família Entomophthoraceae que causa infecção em moscas, levando à sua morte. O fungo tem a capacidade de se multiplicar dentro do corpo da mosca adulta e a principal característica da sua presença é o aparecimento de faixas amarelas de esporos no abdômen do animal. 

As infecções desse fungo costumam acontecer na primavera e outono. A maior presença dele está em regiões de clima temperado e a esporulação tem um desenvolvimento favorável em condições climáticas mais frias e úmidas, especialmente onde as moscas se reúnem e descansam.

Zoophthora radicans

O Zoophthora radicans é outro importante fungo entomopatogênico, capaz de afetar muitos tipos de pragas, merecendo destaque pelo seu elevado potencial epizoótico. Ele revela alta eficácia no combate a lagartas, mas também à traça da couve, pulgões e outras. 

O clima ideal para que ele se prolifere está na média de 20ºC e alta umidade. O ataque dele começa em maior proporção no abdômen, seguido do tórax e cabeça do inseto.

Beauveria bassiana

Inseto Sternocoelus sp. infectado pelo fungo entomopatogênico Beauveria bassiana
Inseto Sternocoelus sp. infectado pelo fungo entomopatogênico Beauveria bassiana. Fonte: Embrapa

Esse fungo entomopatogênico é naturalmente encontrado em algumas plantas e também no solo. O Beauveria bassiana é favorecido pelo calor (entre 23 e 28 ºC) e pela alta umidade do local. Ele também é conhecido por fungo branco ou muscardina, devido ao crescimento micelial com aspecto de mofo branco, de coloração esbranquiçada a cinza, sob o corpo dos insetos infectados. Existe uma lista extensa de pragas que podem ser combatidas com esse agente biológico, entre elas estão os pulgões, besouros de cereais, moscas-brancas, traça da maçã, percevejo, ácaros e outros.

Metarhizium anisopliae

O Metarhizium anisopliae é usado para controlar as larvas de raízes, como a vaquinha do milho e besouros de raízes dos cítricos. Esse fungo também cresce naturalmente em solo e causa uma doença chamada muscardina verde, pois os seus esporos possuem uma coloração verde.  

Essa espécie de agente biológico desenvolve-se no interior do corpo do hospedeiro e o mata em questão de dias. Ele é muito aplicado no Brasil, destaque para as pastagens e canaviais do país.

O que considerar ao usar os fungos entomopatogênicos no controle de doenças e pragas?

Lagarta infectada por um dos fungos entomopatogênicos Nomuraea rileyi.
Lagarta infectada pelo fungo entomopatogênico Nomuraea rileyi. Fonte: Sistema de produção Embrapa

É preciso bastante cuidado antes de usar os fungos no controle de doenças e pragas, visto que alguns fatores podem interferir na sua sobrevivência e eficácia. Por exemplo, se for usar defensivos agrícolas é preciso considerar a compatibilidade das moléculas com os agentes de controle biológico, devendo ser planejado e avaliado previamente o manejo.  

Outro ponto importante é com relação às condições do tempo. Radiação solar, ultravioleta e temperatura que fica acima ou abaixo do ideal para os fungos influenciam diretamente no desempenho dos fungos. Logo, é preciso saber mais sobre elas antes de usá-los.  Os fungos entomopatogênicos têm um grande potencial no controle de diferentes tipos de pragas. Além disso, são uma opção interessante do ponto de vista agrícola pelo seu menor impacto ambiental e ainda por poder ser associado a outros defensivos. Lembre-se de que o sucesso deste tipo de controle também leva em consideração o monitoramento de pragas, condições climáticas e ambientais.

Leia mais da categoria:

Manejo
4 min de leitura
daninhas

Daninhas resistentes ao glifosato

Existem mais de 50 casos reportados de plantas daninhas resistentes a herbicidas no Brasil. Mais de 10 espécies são daninhas resistentes ao Glifosato. O custo de manejo estimado só para a cultura de soja é mais de R$ 9 bilhões. […]

Leia na íntegra
Cultura Manejo
4 min de leitura
abelha na colmeia mel

Mais abelhas, mais café!

Maior presença do inseto nos cultivos aumenta a rentabilidade em até 30%.

Leia na íntegra
Manejo Tecnologia no agro
4 min de leitura

A praga da colheita mecanizada na cana-de-açúcar

por Dib Nunes Jr. Engº Agrº Grupo IDEA I [email protected] A cigarrinha das raízes da cana-de-açúcar, Mahanarva fimbriolata, era considerada uma praga secundária no período em que o fogo era utilizado intensivamente para despalha da cana na colheita manual, pois […]

Leia na íntegra