Produtores de algodão da Bahia decretam guerra ao bicudo
Produtores de algodão da Bahia decretam guerra ao bicudo Produtores de algodão da Bahia decretam guerra ao bicudo Produtores de algodão da Bahia decretam guerra ao bicudo Produtores de algodão da Bahia decretam guerra ao bicudo

Produtores de algodão da Bahia decretam guerra ao bicudo

4 min de leitura

Por Hebert Regis – Grupo Cultivar Com o início do plantio de mais uma safra algodão no oeste da Bahia, a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), por meio dos técnicos do Programa Fitossanitário, está decretando guerra ao bicudo […]

por Syngenta Digital
Produtores de algodão da Bahia decretam guerra ao bicudo Voltar
Produtores de algodão da Bahia decretam guerra ao bicudo

Por Hebert Regis – Grupo Cultivar

Com o início do plantio de mais uma safra algodão no oeste da Bahia, a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), por meio dos técnicos do Programa Fitossanitário, está decretando guerra ao bicudo do algodoeiro. Em evento, realizado em Luís Eduardo Magalhães, produtores e técnicos estavam reunidos para demonstrar as principais estratégias de prevenção e combate à praga, que pode prejudicar a produtividade e reduzir o lucratividade, e em alguns pontos, até a perda total.

Os palestrantes do evento, os pesquisadores entomologistas da Embrapa Algodão, Dr. José Ednilson Miranda, e da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Dr. Paulo Degrande, reforçaram sobre a gravidade do bicudo por ser uma praga de difícil controle. “O inseto tem um ciclo rápido de reprodução, em torno de 18 dias, e em uma única safra pode se ter até cinco gerações de insetos, provocando um crescimento exponencial da praga, dificultando o controle na lavoura de algodão, cujas estruturas florais ficam expostas por 150 dias para a reprodução do inseto”, apontou José Ednilson, da Embrapa, ao reforçar a necessidade de medidas enérgicas de controle.

Para tornar mais abrangente e eficiente a atuação do programa, a Abapa vem trabalhando com 14 técnicos distribuídos em 18 núcleos produtivos no oeste e sudoeste baianos para orientação e suporte técnico. As equipes técnicas começam a monitorar por meio das armadilhas instaladas no período da entressafra das lavouras uma possível evolução da praga. “Neste momento, os técnicos do programa entram em contato direto com o produtor ou com a equipe técnica para orientar o melhor momento de entrar com o controle químico contra o bicudo”, explica o coordenador do programa fitossanitário da Abapa, Antônio Carlos Araújo.

No oeste da Bahia, o incentivo ao controle químico vem prosseguido do respeito ao vazio sanitário e à destruição de restos de cultura ao longo do período de dois meses, entre os dias 20 de setembro a 20 de novembro. Para o presidente da Abapa, Júlio Cézar Busato, o combate ao bicudo deve ser uma questão de prioridade de todos os produtores neste início do plantio de algodão. “As equipes do programa fitossanitário estão percorrendo e visitando os produtores que são os líderes dos núcleos para que eles possam influenciar os demais produtores para combater o bicudo. Não adianta um produtor fazer o dever de casa e o vizinho deixar o bicudo se proliferar”, explica.

“No ano passado, os produtores do oeste da Bahia chegaram alcançar uma produtividade recorde de 310 arrobas de algodão/hectare e houve redução da quantidade de inseticidas no campo e dano zero com o bicudo do algodoeiro na maioria das lavouras de algodão na safra 2016/2017”, afirma, ao acreditar em novo êxito dos produtores. A reunião também promoveu palestras de orientação ao combate de doenças e pragas da soja, como a Helicoverpa armigera e Ferrugem Asiática.

Fonte: Grupo Cultivar

Leia também: Manejo De Perdas Na Colheita Mecanizada De Algodão.  Acompanhe nossas redes sociais em FacebookInstagramLinkedIn e Youtube.

 

Leia mais da categoria:

Especial Produzindo Mais Posts
4 min de leitura
Produzindo mais nos cafezais

As variedades do café e seus benefícios para cada produtor

Como vimos no primeiro artigo desta nova série especial, a história do café no Brasil começou em 1792, por meio da espécie Coffea arábica, pela cultivar Nacional. Depois, foram introduzidas as variedades Bourbon Vermelho e Sumatra, em 1859 e 1896. […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
Higienização em ônibus

Coronavírus e agricultura: produtores relatam rotina na pandemia

As ruas do país estão vazias com a chegada do coronavírus. A maioria das pessoas está trabalhando remotamente, as escolas suspenderam as aulas, e a ordem é ficar em casa. Mas há as chamadas atividades essenciais, que seguem normalmente enquanto […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura

Clima para a agricultura: quais os impactos e como minimizá-los?

O clima é uma variável incontrolável, que afeta a vida no campo e, por vezes, é capaz de causar uma série de problemas para o produtor rural. No entanto, é possível minimizar seus impactos na lavoura, acompanhando padrões e mudanças […]

Leia na íntegra