Digital dá suporte para safrinha de algodão produtiva - Syngenta Digital
Digital dá suporte para safrinha de algodão produtiva - Syngenta Digital Digital dá suporte para safrinha de algodão produtiva - Syngenta Digital Digital dá suporte para safrinha de algodão produtiva - Syngenta Digital Digital dá suporte para safrinha de algodão produtiva - Syngenta Digital

Digital dá suporte para safrinha de algodão produtiva

4 min de leitura

Muitos produtores com área irrigada já colheram a soja ou o milho de variedades precoces e se preparam para o plantio do algodão safrinha. A principal preocupação, neste momento, é ter o prazo de 180 dias do ciclo para atender às normas do vazio sanitário. “Um dos pontos de atenção […]

por Syngenta Digital
Digital dá suporte para safrinha de algodão produtiva - Syngenta Digital Voltar
Digital dá suporte para safrinha de algodão produtiva - Syngenta Digital
Plantio de algodão

Muitos produtores com área irrigada já colheram a soja ou o milho de variedades precoces e se preparam para o plantio do algodão safrinha. A principal preocupação, neste momento, é ter o prazo de 180 dias do ciclo para atender às normas do vazio sanitário. “Um dos pontos de atenção é que a cultura chegue antes dessa janela”, explica a Especialista em Transformação Digital da Syngenta Digital Mariana Loiola.  

Como plantações com pivô são mais propensas a pragas e doenças do que o sequeiro, quem trabalha com o algodão safrinha deve ficar atento à incidência de problemas na lavoura. O bicudo é um dos que mais dá dor de cabeça ao agricultor, pois migram do sequeiro, quando há aplicações, e procura refúgio na região irrigada ou cultivada.  

“A atenção deve ser redobrada por causa de migração de pragas de outras lavouras. Quando colhe no sequeiro, por exemplo, o bicudo não tem alimento e vai para o algodão mais novo. Outra praga importante para ficar de olho é o pulgão”, conta Loiola, que também cita a alta possibilidade do desenvolvimento da doença ramulária no algodoeiro. 

Mais aplicações no algodão safrinha 

Gerente Técnico de uma das propriedades do Grupo Busato, no oeste baiano, Aurelino Brito Ramos acompanha de perto os talhões de algodão na safrinha. Segundo ele, o cultivo nos pivôs tende a ter o ciclo alongado, o que pode gerar necessidade de mais pulverizações devido à entrada de pragas na bordadura. “A gente faz mais aplicação devido ao ciclo que alongou por causa do frio”, relata. 

Nesse sentido, soluções de agricultura digital podem ser grandes aliadas no manejo. Com mais armadilhas nas bordaduras, o monitoramento georreferenciado proporcionado por ferramentas como o Cropwise Protector permite a identificação com antecedência dos pontos de entrada da população das pragas. Assim, os mapas de calor gerados pelos dados coletados em campo possibilitam que o produtor tome uma decisão mais assertiva e ágil. 

Leia mais da categoria:

Posts
4 min de leitura

Como aumentar a produtividade na soja: 7 estratégias

Nos últimos 25 anos a produção brasileira de soja triplicou. Os agricultores estudaram o cultivo, apostaram em tecnologias e novas estratégias de produção, conseguindo vencer o desafio de aumentar a produtividade na soja. De acordo com a Aprosoja Brasil, além das […]

Leia na íntegra
Cultura Posts
4 min de leitura
milho safrinha

Oferta do Controle Certo chega no milho safrinha

A probabilidade de queda na escassez do milho safrinha tende a tornar este momento da agricultura mais competitivo, o que volta a atenção para os detalhes, que são cruciais no aumento da margem de produção. A tecnologia de monitoramento digital […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
tratamento de semente

Digital traz vantagens para o tratamento de sementes industrial

A busca pela máxima produtividade passa pelo monitoramento de pragas e doenças nas lavouras e pelo momento da colheita. Mas essa preocupação deve vir bem antes, quando a plantadeira vai para o campo. Muitos agricultores optam por fazer o tratamento […]

Leia na íntegra