Geada: um problema para cana-de-açúcar
Geada: um problema para cana-de-açúcar Geada: um problema para cana-de-açúcar Geada: um problema para cana-de-açúcar Geada: um problema para cana-de-açúcar

Geada: um problema para cana-de-açucar

4 min de leitura

por Dib Nunes Jr. – Engo Agro Grupo IDEA  [email protected] As geadas são comuns em muitas regiões produtivas de cana, como a Louisiana (EUA), Índia, Austrália, Argentina e ocasionais na Flórida, México,Irã e na região sudeste do Brasil. Segundo estatísticas, […]

por Syngenta Digital
Geada: um problema para cana-de-açúcar Voltar
Geada: um problema para cana-de-açúcar
Geada no canavial

por Dib Nunes Jr. – Engo Agro Grupo IDEA 
[email protected]

As geadas são comuns em muitas regiões produtivas de cana, como a Louisiana (EUA), Índia, Austrália, Argentina e ocasionais na Flórida, México,Irã e na região sudeste do Brasil. Segundo estatísticas, ocorrem em média 4 geadas a cada 20 anos nesta região brasileira.

Os danos na cana são causados pela ruptura das células dos tecidos das partes afetadas como resultado do congelamento do suco celular. Os problemas dependem basicamente da intensidade geada, das condições ambientais após a geada e do comportamento das variedades cultivadas. A intensidade da geada depende do tempo que a temperatura permanecer abaixo de zero.

A partir daí, podemos ter injúrias que vão desde uma simples queima de folha, até à morte da gema apical e das gemas laterais superiores e até mesmo, a morte de todas as gemas laterais.

As partes afetadas adquirem, de início, uma aparência aquosa e em pouco tempo tornam-se focos de infecções por fungos e bactérias. Quando morre somente a gema apical, as gemas que não foram danificadas brotam e ocasionam uma cana com pontas múltiplas ou “envassouradas”. Após a geada (ao redor de 10 dias) deve-se realizar um levantamento dos danos e mapeamento do problema.

Deve-se proceder da seguinte maneira:

1- Estabelecer um critério para levantamento, de modo a quantificar a intensidade da geada;

2- Quantificar os canaviais atingidos e suas respectivas tonelagens;

3- Monitorar, através das análises tecnológicas as áreas atingidas para iniciar a administração da cana geada.

Nas áreas com danos leves, dependendo das condições climáticas, a perda de qualidade tecnológica demora mais a ocorrer, podendo manter teores de sacarose por 45-50 dias. Entretanto, nos locais onde os danos são severos, a deterioração dos colmos pode começar a ocorrer em menos de 10 dias.

Não ocorrendo a morte das gemas laterais, a redução da qualidade ficará restrita aos primeiros entrenós do ponteiro. A altura correta do desponte no momento do corte pode minimizar este problema.

Leia mais da categoria:

Cultura Posts
4 min de leitura

Plantio da soja e do milho nos EUA ficam acima do esperado

Por Carla Mendes O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) trouxe seu novo boletim semanal de acompanhamento de safras com números bastante expressivos, principalmente, para a soja. Os dados do milho também ficaram acima do esperado. No caso da […]

Leia na íntegra
Cultura Posts
4 min de leitura
lagarta do cartucho no milho

Monitoramento: lagarta-do-cartucho no milho

*por Amanda Moura, engenheira agrônoma O milho figura entre as culturas de maior importância econômica no Brasil, e sua notoriedade está relacionada desde à alta demanda de exportação do grão até a utilização estratégica no sistema de produção agrícola, como […]

Leia na íntegra
6ª Edição Cultura
4 min de leitura
cana-de-açúcar

Fim da broca da cana?

A broca da cana é a principal praga que ataca a cultura da cana-de-açúcar no Brasil e causa prejuízos estimados em R$ 5 bilhões anuais ao setor sucroenergético. Mas a aprovação do uso comercial de uma nova variedade de cana-de-açúcar […]

Leia na íntegra