MS estabelece data limite para cultivo da soja MS estabelece data limite para cultivo da soja
MS estabelece data limite para cultivo da soja
MS estabelece data limite para cultivo da soja MS estabelece data limite para cultivo da soja MS estabelece data limite para cultivo da soja MS estabelece data limite para cultivo da soja

MS estabelece data limite para cultivo da soja

4 min de leitura

A Secretaria do Estado do Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), de Mato Grosso do Sul, publicou a resolução da Semagro n° 648, de 15 de agosto de 2017, que mantém o período do vazio sanitário (15 […]

por Syngenta Digital
MS estabelece data limite para cultivo da soja Voltar
MS estabelece data limite para cultivo da soja

A Secretaria do Estado do Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), de Mato Grosso do Sul, publicou a resolução da Semagro n° 648, de 15 de agosto de 2017, que mantém o período do vazio sanitário (15 de junho a 15 de setembro) e determina data-limite para semeadura da soja, no Estado. Portanto, a partir da safra 2017/2018, os produtores de soja de Mato Grosso do Sul terão calendário para a semeadura da soja, que deverá ser realizada entre 16 de setembro e 31 de dezembro de cada ano.

A calendarização da semeadura da soja é uma medida, estabelecida por normativas estaduais em sete estados produtores de soja: Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, Tocantins e Bahia. Veja detalhes no quadro. Nos estados do Paraná, do Mato Grosso e da Bahia, além de estabelecido calendário com data-limite de semeadura, fica proibido o cultivo da soja sobre soja, conhecida popularmente como soja-safrinha.

Para a pesquisadora Cláudia Godoy, da Embrapa Soja, o objetivo da calendarização é reduzir o número de aplicações de fungicidas ao longo da safra e com isso reduzir a pressão de seleção de resistência do fungo aos fungicidas. “Populações menos sensíveis a fungicidas inibidores da desmetilação (IDM ou “triazóis”), inibidores de quinona externa (IQe ou “estrobilurinas”) e inibidores da succinato desidrogenase (ISDH ou “carboxamidas”) já foram observadas no campo”, explica a pesquisadora.

Leia também: Fundamentos Para O Cultivo Da Soja. Acompanhe também nossas redes sociais em FacebookInstagramLinkedIn e Youtube.

Leia mais da categoria:

Posts
4 min de leitura

UFSCar e Fundecitrus desenvolvem estudos para controle do inseto transmissor do greening

O greening (huanglongbing/HLB) é a mais destrutiva doença das citriculturas brasileira e mundial. Os últimos dados, de 2017, indicam que o greening está presente em 16,73% das laranjeiras do cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro. Em números, são […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
vaca pastando

Tifton 85: uma forrageira para pastagens tropicais

Um solo saudável, fértil e uma forragem de alto valor nutritivo é tudo que o produtor deseja para as suas fazendas. No texto a seguir, saiba mais sobre o que o Tifton 85.  Conheça o Tifton 85  A busca de […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
fitotoxidade

Digital é aliado na prevenção da fitotoxicidade

O tratamento fitossanitário de pragas, doenças e daninhas controla os problemas na lavoura, mas também pode gerar efeitos indesejados. Um deles é o excesso de ativos de herbicidas na planta, fenômeno chamado de fitotoxicidade, comum nas culturas de soja, milho e algodão. O engenheiro agrônomo e Especialista em Transformação Digital […]

Leia na íntegra