Controle biológico: o que é, para que serve e como tudo começou? - Syngenta Digital
Controle biológico: o que é, para que serve e como tudo começou? - Syngenta Digital Controle biológico: o que é, para que serve e como tudo começou? - Syngenta Digital Controle biológico: o que é, para que serve e como tudo começou? - Syngenta Digital Controle biológico: o que é, para que serve e como tudo começou? - Syngenta Digital

Controle biológico: o que é, para que serve e como tudo começou?

4 min de leitura

Texto escrito em parceria com o Grupo Controle Biológico em Doenças de Plantas da Universidade Federal de Lavras, pela aluna Carla Maria Cavalcanti Ribeiro, doutoranda em Fitopatologia/UFLA. O que é o controle biológico Tem se tornado cada vez mais comum […]

por Ana Carolina Abreu
02 de junho de 2022
Controle biológico: o que é, para que serve e como tudo começou? - Syngenta Digital Voltar
Controle biológico: o que é, para que serve e como tudo começou? - Syngenta Digital
insetos atacando planta saudável

Texto escrito em parceria com o Grupo Controle Biológico em Doenças de Plantas da Universidade Federal de Lavras, pela aluna Carla Maria Cavalcanti Ribeiro, doutoranda em Fitopatologia/UFLA.

O que é o controle biológico

Tem se tornado cada vez mais comum a utilização de inimigos naturais visando manter as populações de organismos prejudiciais à agricultura em níveis aceitáveis, processo conhecido como controle biológico (CB). Dentre os potenciais agentes de biocontrole, destaca-se uma ampla gama de ácaros, insetos, fungos, vírus, bactérias, nematoides, entre outros.

O CB pode ocorrer de maneira espontânea, ou como resultado da manipulação de organismos pelo homem, sendo condicionado pelo hospedeiro ou o meio ambiente.

Para que serve o controle biológico

Apontado como um método seguro e uma alternativa sustentável para o manejo de pragas e patógenos, apresenta vantagens como a redução do risco de contaminação ambiental, bem como da exposição de produtos a materiais perigosos; diminuição de resíduos em alimentos; não apresenta riscos à saúde humana e ainda é uma alternativa mais econômica do que alguns inseticidas

Do ponto de vista econômico, um inimigo natural efetivo é aquele que é capaz de regular a densidade populacional de uma praga ou patógeno e mantê-lo em níveis abaixo do dano econômico estabelecido para um determinado cultivo, tornando viável o uso de microrganismos que antagonizam patógenos de plantas para o controle de doenças na agricultura.

Como tudo começou

A atenção para biodefensivos no Brasil ocorreu em 2013, quando o uso de bioinseticidas se mostrou eficiente no controle da Helicoverpa armigera, praga que prejudicava as lavouras de soja. A partir daí intensificaram-se as pesquisas e desenvolvimentos de produtos biológicos, embora estes ocupem apenas cerca de 20% da área de produção do país, principalmente por produtores de grandes culturas como soja, cana-de-açúcar e milho.

De acordo com a Associação de Empresas Fornecedoras de Produtos Biológicos Croplife, (antiga ABCBio), têm sido usado Bacillus subitillis: para controle de doenças fúngicas, bacterianas e nematoides; Bradyrhizobium spp.: para fixação de nitrogênio; Bacillus thuringiensis: para controle de lagartas; Azospirillum brasilense: para fixação de nitrogênio e como bioestimulante; Bacillus pumilus: para controle de doenças fúngicas, bacterianas e nematoides e Bacillus methylotrophicus: para controle de nematoides.

Os produtos de CB, precisam ser registrados seguindo as especificações de referência para a agricultura orgânica ou certificados por empresas credenciadas, garantindo a segurança e a qualidade dos produtos que chegam até o consumidor final.

O fungo Cladosporium cladosporioides, identificado no cafeeiro, possui qualidades biofungicidas que combatem outros fungos responsáveis pela degradação do café, proporcionando à bebida alta qualidade e agregando valor ao produto.

Grãos de café

Em testes de laboratório desenvolvidos por integrantes do GC-Bio, foi possível observar a colonização do fungo Sclerotinia sclerotiorum colonizado pelo agente de controle Trichoderma asperellum.

Trichoderma colonizando o escleródio
Trichoderma colonizando o escleródio

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o ano de 2020 teve o maior número de registros de biodefensivos das últimas décadas, o que confirma o potencial do controle biológico no Brasil.

Ainda há muito para crescer, entretanto esse aumento na adoção do método mostra uma estratégia inteligente, aliada a aspirações por uma agricultura mais sustentável, garantindo produtividade para o produtor e qualidade para o cliente.

Leia mais da categoria:

Cultura Manejo
4 min de leitura
abelha na colmeia mel

Mais abelhas, mais café!

Maior presença do inseto nos cultivos aumenta a rentabilidade em até 30%.

Leia na íntegra
Cultura Manejo
4 min de leitura
pé de café

Broca-do-café. Manejo e monitoramento

Encontrada em todas as regiões produtoras da cultura no mundo, a Broca-do-café, uma das mais importantes pragas da cafeicultura, ataca os frutos em praticamente qualquer estágio de maturação – causando perdas consideráveis à produção e qualidade do café. *Este texto foi […]

Leia na íntegra
Manejo
4 min de leitura
Solo degradado pela erosão

Degradação do solo: causas e soluções

A degradação do solo preocupa os produtores não só pelo problema que traz para a produtividade, mas também pelos impactos ambientais atrelados. As causas são variadas, de atividades humanas a processos naturais, o que compromete como um todo a fertilidade […]

Leia na íntegra