Manejo integrado da fertilidade do solo | Blog Strider
Manejo integrado da fertilidade do solo | Blog Strider Manejo integrado da fertilidade do solo | Blog Strider Manejo integrado da fertilidade do solo | Blog Strider Manejo integrado da fertilidade do solo | Blog Strider

Manejo Integrado da Fertilidade do Solo

4 min de leitura

Um solo saudável e fértil deve ser prioridade, seja qual for o plantio. No texto a seguir, saiba mais sobre o que é o Manejo Integrado da Fertilidade do Solo e como aplicá-lo.    Texto escrito por Marihus Altoé Baldotto *    O preparo […]

por Syngenta Digital
Manejo integrado da fertilidade do solo | Blog Strider Voltar
Manejo integrado da fertilidade do solo | Blog Strider

Um solo saudável e fértil deve ser prioridade, seja qual for o plantio. No texto a seguir, saiba mais sobre o que é o Manejo Integrado da Fertilidade do Solo e como aplicá-lo. 

 

Texto escrito por Marihus Altoé Baldotto *   

O preparo intensivo do solo, o desmatamento e as queimadas provocam um desequilíbrio ambiental nas áreas que sofrem com esse tipo de ação. O resultado são solos degradados, compactados, com erosão e alterações químicas, físicas e biológicas.  

Um solo pobre impacta diretamente a lavoura e sua produtividade. Sem contar com os custos que ficam bem maiores para o produtor já que são necessários mais recursos para corrigi-lo nutricionalmente.  

Para se ter bons resultados no campo é fundamental preservar e recuperar o meio ambiente, criando um ambiente sustentável para o cultivo de alimentos. Esses são princípios básicos da agricultura regenerativa que tem, entre suas práticas, o Manejo Integrado da Fertilidade.  

Manejo Integrado da Fertilidade 

O Manejo Integrado da Fertilidade do Solo vai muito além da interpretação de atributos químicos. Nele, a física, a biologia e o ecossistema em que o solo está inserido são interdependentes e são sempre levados em conta. A fertilidade do solo é trabalhada passo a passo, com manejo conservacionista, de prevenção e de regeneração. Assim é possível traçar um bom planejamento para se obter alta produtividade.  

Práticas edáficas (que resultam de fatores inerentes ao solo), culturais e vegetativas – como plantio em nível – cobertura do solo, manejo e tratos culturais otimizados, revolvimento mínimo ou plantio direto, entre outras, devem ser integradas. Elas reduzem a correção, o condicionamento e restituição com fontes de corretivos ou nutrientes minerais não renováveis. 

É importante ressaltar também que mesmo com todos esses cuidados, a análise de solo precisa continuar sendo realizada. É ela que indica o nível de dano e orienta o produtor sobre a quantidade de dose necessária de correção. No Manejo de fertilidade do solo, esse nível de controle deve, antes da aplicação dos agrotóxicos na fitossanidade, considerar os manejos cultural, edáfico, biológico e outros. Essas práticas conservacionistas favorecem um agrossistema equilibrado e saudável e, por isso devem ser priorizadas antes de se usar um fertilizante mineral.  

Otimizar o reaproveitamento, uso, reciclagem dos resíduos orgânicos ou minerais geráveis dentro da unidade produtiva, com controle de qualidade e diminuir as perdas antes, durante e depois da colheita são caminhos propostos para a construção e a manutenção da Fertilidade do Solo (sustentabilidade). 

 “No Manejo de fertilidade do solo, antes de se usar um fertilizante mineral, prioriza-se o uso de práticas conservacionistas”.  – Marihus Altoé Baldotto  

algodao-plantacao

 

Desafios do Manejo de Fertilidade do Solo 

insuficiente desenvolvimento de cargas elétricas negativas (baixa CTC), a elevada absorção específica de fosfatos, a baixa disponibilidade de nutrientes e as altas concentrações de íons alumínios tóxico são as principais limitações dos solos tropicais, sobretudo a classe dos Latossolos, seja qual for o tipo de manejo.  

Essas adversidades podem ser minimizadas com a preservação e o incremento dos teores de carbono orgânico do solo. A matéria orgânica apresenta grupos funcionais eletricamente carregados que aumentam a CTC e diminuem a adsorção específica de P, disponibilizam nutrientes e têm a capacidade de complexar íons alumínio, reduzindo sua toxicidade. 

Os Latossolos estão em, praticamente, todo o território nacional, sendo a classe de solos mais representativa do Brasil e, por isso são de grande potencial para agricultura. Preservar os estoques de matéria orgânica e promover o sequestro de carbono é uma forma eficiente de iniciar a melhoria das propriedades químicas, físicas e biológicas dos Latossolos. 

solos-no-brasil-latossolos

   

Atributos químicos, físicos e biológicos do solo 

 

O manejo do solo deve otimizar os atributos químicos, físicos e biológicos do solo, inter-relacionados. Entretanto, pontuando cada um deles, pode-se dizer que na química do solo há processos significativamente influenciados pela porosidade, como a adsorção específica de fosfatos pela fração argila, com mineralogia predominantemente composta por “óxidos” de ferro e de alumínio dos Latossolos. 

A física, entre outros fatores, pode influenciar a química do solo quando ocorre a diminuição do espaço entre as superfícies hidroxiladas oxídicas (solo compactado), durante a difusão do íon fosfato no solo, resultando em maior aproximação entre adsorvente (partículas de solo rica em goethita, hematita e gibsita) e adsorvato (fosfatos), agravando o processo de adsorção específica. 

Já na dinâmica do fósforo, problemas na porosidade podem afetar a disponibilidade de outros nutrientes, interferindo, por exemplo, nos mecanismos de transporte no solo. 

Adicionalmente, a relação entre a matéria sólida do solo, gerando a sua porosidade natural, governará os fluxos de gases (atmosfera do solo) e da solução do solo, afetando equilíbrios químicos e, consequentemente, biológicos no ecossistema solo. 

Agregação, estrutura e porosidade são atributos físicos fundamentais para a Fertilidade. Todos eles advêm da qualidade químico/mineralógica e da biologia do solo. 

  

Compactação E Erosão Do Solo: Problemas Que Preocupam A Agropecuária 

solo-erosao

A adoção do sistema de plantio direto na palhada e os sistemas agroflorestais (integração lavoura, pecuária e florestas) são as formas de manejo que além de sequestrar carbono e minimizar as limitações químicas, condicionam melhor agregação do solo e diminuição dos processos físicos que assolam os sistemas convencionais excessivamente mecanizados. 

O primeiro passo para garantir a qualidade do sistema radicular é a escolha da área em sintonia com as necessidades da cultura, ou seja, verificar as exigências de aeração e ou umidade, normalmente inversamente proporcionais. Impedimentos químicos e físicos são comuns em classes de solos brasileiras, trazendo limitações para a rizosfera. 

Geralmente há presença de acidez, íons alumínio tóxicos, baixa disponibilidade de nutrientes no subsolo. Além da correção na camada superficial do solo – por meio da calagem -, as plantas de sistemas radiculares mais profundos têm tido um ambiente condicionado com gesso agrícola (prática da gessagem), insumo coproduto da produção de fertilizantes fosfatados, que melhora a fertilidade das camadas mais íntimas do solo, fortalecendo o crescimento da raízes e melhorando a exploração por água e nutrientes. 

  

Estrutura e compactação 

Um sistema radicular bem formado é imprescindível para lavouras produtivas, melhora a absorção de água e de nutrientes, além de garantir maior tolerância a competidores, pragas, doenças e condições adversas. No entanto, alguns solos possuem coesão natural das camadas subsuperficiais. 

Durante as operações agrícolas no sistema de cultivo, o solo pode sofrer uma sequência de ações de compactação e descompactação. Esses processos poderão agravar ou promover a desagregação da estrutura e a compactação do solo. 

O empobrecimento da estrutura do solo, com desagregação e desprendimento das partículas, facilita o seu arrastamento pela água da chuva, acelerando o processo de erosão. Resistência à penetração das raízes e implementos, limitam a produtividade. 

O inadequado dimensionamento do preparo do solo pode aumentar a erosão, sobretudo se o terreno permanecer descoberto no período de maior intensidade de chuvas, agravando-se com aumento da declividade. 

As causas e as consequências da erosão são motivos preocupantes para a agropecuária deste novo milênio, devendo a tecnologia ser apropriada para os nossos solos tropicais, respeitando a busca contínua dos cientistas do solo por práticas conservacionistas, sempre planejando o uso do solo em convergência com o resultado de levantamento de solos para alocação de sua capacidade de uso dentro de correta aptidão agrícola. 

  

homem no campo de soja com tablet

 

Outro problema causado pelo uso excessivo e inadequado da mecanização do solo é a compactação de camadas subsuperficiais, conhecida como “pé-de-arado” ou “pé-de-grade”. Alguns solos podem apresentar camadas coesas naturalmente, decorrentes de seu processo de gênese. Contudo, a maior parte dos problemas têm surgido pela atividade antrópica. 

As camadas, compactadas, tendem a aumentar a erosão, pois dificultam a infiltração da água da chuva, resultando em aumento do escorrimento superficial, que arrasta consigo as partículas do solo, as quais podem, ainda, ter seu desprendimento/desagregação agravado pelo mau manejo. 

É importante, também, atentar para as condições de umidade do terreno antes do preparo. O ponto de umidade ideal é aquele em que o trator opera com o mínimo esforço, produzindo os melhores resultados na execução do serviço. Com o solo muito úmido, os problemas de compactação aumentam. A terra (barro) fica retida nos implementos, chegando a impedir a operação. 

Em solo muito seco, é preciso passar a grade várias vezes para quebrar os torrões, o que exige maior consumo de combustível. Com isso, o custo de produção aumenta e o solo perde a estrutura. 

maquinário deve ser adequadamente dimensionado para a execução das operações, de acordo com o equipamento utilizado. Teor de argila, umidade do solo e profundidade de preparo desejada são variáveis chave para bom dimensionamento do maquinário e dos implementos. 

 

O Preparo Profundo Do Solo Como Alternativa Para Aumentar A Produtividade 

 Nos últimos anos – nos quais a seca foi intensa e extensa, o preparo profundo do solo vem sendo abordado como uma alternativa para aumentar a produtividade agrícola. Sendo uma técnica que propõe a resolução de problemas práticos importantes, o preparo do solo não pode ser analisado separadamente, mas deve ser planejado de forma integrada – manejo integrado: pragas, doenças, plantas concorrentes, fertilidade do solo e outros. 

Com o aumento dos problemas físicos do solo, as técnicas conservacionistas vêm sendo cada vez mais importantes no manejo e conservação.Marihus Altoé Baldotto 

O preparo reduzido almeja a diminuição do número de operações realizadas no preparo convencional, dimensionando equipamentos mais leves. 

O plantio direto, já muito comum na produção de grãos e cereais, tem sido adaptado para a implantação de canaviais, especialmente em rotação de culturas com plantas anuais. Sulcadores ou plantadeiras equipados com disco corta-palha à frentes do sulcador permitem a execução do plantio direto na palhada da cultura anterior, mesmo quando há muita biomassa acumulada. 

campo cana de acucar

Como o preparo reduzido, o produtor deve também se atentar para problemas limitantes (físicos, químicos e biológicos). Contudo, em se tratando apenas da compactação, pode-se adaptar o plantio direto realizando subsolagem para a quebra da camada compactada, sem revolver o solo, efetuando o plantio mantendo o restante do terreno sem revolvimento e com a palhada acamada. 

É recomendável verificar a necessidade de práticas de controle da erosão. Na maior parte das vezes, as lavouras são instaladas em solos de relevo suave a ondulado (declividade inferior a 20%), mas como requerem mecanização intensa sobre solos com elevados teores de argila, problemas físicos podem acontecer e desencadear alterações químicas e biológicas limitantes para a produtividade da cana. 

Chamo atenção para a verificação da necessidade de dimensionamento de práticas mecânicas, como o terraceamento, tanto para aumentar a infiltração da água no solo (terraços em nível), como, por outro lado, para desviar a água superficial para um escoadouro natural (terraços em desnível), quando o solo não apresentar adequada capacidade de infiltração e estiver em uma região de elevada pluviosidade. 

A distância e a profundidade do canal devem ser dimensionadas, por exemplo, em função da classe de solo, da declividade do terreno, do manejo da cultura e do regime pluviométrico. Considero que o terraceamento, bem dimensionado, é uma importante prática de controle da erosão hídrica, mas não descarta as práticas conservacionistas edáficas e vegetativas, especialmente, a correta alocação das linhas de plantio em solos de aptidão agrícola e capacidade de uso adequados.

Quer saber mais sobre solos e Manejo de Fertilidade do solo?  

Leia mais: Bactérias promotoras de crescimento vegetal na busca pela sustentabilidade 
  

Leia mais da categoria:

Posts
4 min de leitura
Agropecuária Reunidas do Papagaio

Jornada Digital: Agropecuária Reunidas do Papagaio

A Agropecuária Reunidas do Papagaio surgiu no início do anos 1990, com um grupo de investidores, mas a sociedade se desfez no fim daquela mesma década, e a fazenda ficou com a família de Eduardo Godoi, hoje Diretor Técnico. Atualmente, […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura
Homem utilizando um tablet para analisar sua lavoura

Controle Certo rumo a uma agricultura sustentável

A oferta Controle Certo tem ajudado a levar o digital para os mais diversos produtores do país. O programa oferece mão de obra especializada no monitoramento de pragas com o Cropwise Protector e um portfolio robusto de produtos Syngenta para correção de problemas, fazendo com que cada vez mais as aplicações aconteçam de forma localizada, um incentivo a uma agricultura sustentável.  […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura

Inteligência artificial na agricultura: a contagem de estande por foto

Uma ferramenta de inteligência artificial na agricultura de contagem de plantas por imagem fornece aos produtores dados importante da lavoura de uma área de forma mais ágil. Hoje, esse trabalho é feito manualmente por técnicos de campo, que usam trenas e calculam a quantidade estimada de plantas por hectare. A funcionalidade já está disponível […]

Leia na íntegra