Análise nematológica: o que é e como fazer uma amostragem
Análise nematológica: o que é e como fazer uma amostragem Análise nematológica: o que é e como fazer uma amostragem Análise nematológica: o que é e como fazer uma amostragem Análise nematológica: o que é e como fazer uma amostragem

Nematoides: veja a amostragem em culturas anuais

2 min de leitura

As perdas causadas por nematoides nas grandes culturas aumentam progressivamente, ano após ano. Mas antes de traçar uma estratégia de manejo é preciso identificar o problema, que pode ser feito por meio de uma análise nematológica. Descubra como realizar uma […]

por Ana Carolina Abreu
15 de julho de 2021
Análise nematológica: o que é e como fazer uma amostragem Voltar
Análise nematológica: o que é e como fazer uma amostragem
nematoide - análise nematológica

As perdas causadas por nematoides nas grandes culturas aumentam progressivamente, ano após ano. Mas antes de traçar uma estratégia de manejo é preciso identificar o problema, que pode ser feito por meio de uma análise nematológica.

Descubra como realizar uma amostragem de nematoides neste artigo.

O que são nematoides?

Os nematoides que causam doenças nas plantas são vermes de tamanho microscópico. Esses vermes, também conhecidos como fitonematoides, vivem e se alimentam das raízes, caules e bulbos e, em alguns casos, das folhas e hastes das plantas.

O pequeno tamanho, o hábito de vida no solo e a diversidade de espécies e sintomas dificultam o seu reconhecimento, sendo muitas vezes confundidos com deficiências nutricionais ou com outras doenças.

A ideia de que os nematoides sempre apresentarão sintomas na lavoura e que é possível identificá-los visualmente nem sempre é correta e pode ocasionar prejuízos irreversíveis ao produtor.

Raiz de planta infestada pelo nematoide cisto
Raízes de soja infestadas com nematoide de cisto, Heterodera glycines

Qual é a importância da análise nematológica?

A análise nematológica oferece as primeiras informações para a tomada de decisão de manejo. É somente por meio dela que é possível descobrir as espécies presentes na área/cultura (como o nematoide de galha), o nível populacional e sua distribuição ao longo dos talhões.

Com essas informações em mãos é possível realizar um manejo nematológico mais assertivo, já na entressafra e safra imediatamente posterior a identificação correta do problema, que pode ser, por exemplo, na escolha da cultura ou cultivar a ser utilizada com base na sua resistência aos nematoides, além de nematicidas direcionados a cada espécie.

Uma análise de qualidade depende de uma série de fatores, a começar por um procedimento de amostragem representativo ao longo da área.

Como realizar a coleta das amostras para análises de nematoides?

Deve-se levar em consideração o histórico da área e, caso os nematoides já tenham sido detectados, o monitoramento deve ser constante.

A presença de reboleiras, que são manchas ao longo da lavoura com plantas amarelecidas e menos desenvolvidas, é o principal indício do ataque de nematoides, e são especialmente nesses pontos que as amostras devem ser coletadas.

Deve-se coletar na borda das reboleiras evitando plantas que estejam muito debilitadas, optando por aquelas que apresentam sintomas moderados. Retirar amostras fora da reboleira também é fundamental.

Talhões com queda de produtividade, também devem ser monitorados, pois, nem sempre, os nematoides vão apresentar sintomas evidentes. Áreas extensas e nas quais as reboleiras não são evidentes, podem ser divididas em faixas menores e homogêneas. Devem ser considerados, ainda, o tipo de solo e a declividade da área.

Plkantação da soja sendo afetada por reboleira de nematoide
Reboleiras causadas por nematoides na cultura da soja

A amostragem deve ser realizada em uma profundidade de 25 a 30 cm. Deve-se coletar de 8 a 10 subamostras por talhão, as quais serão colocadas em um balde e homogeneizadas para formar uma amostra composta.

A maioria dos nematoides se concentra nas raízes, portanto deve-se coletar o sistema radicular da planta, com o máximo de raízes laterais (secundárias) possível, e, ainda, o solo ao redor da mesma. Cada amostra deve conter aproximadamente 200 g de raiz e 1 kg de solo.

Se houver suspeita de nematoide de parte aérea, Aphelencoides besseyi, que pode ocorrer em soja, feijão e algodão, deve-se coletar ainda a parte aérea das plantas, dando preferência para as regianpaliões sintomáticas e evitando a região do baixeiro.

No dia da coleta, é importante levar ferramentas que garantam a integridade das amostras, como pás, enxadões, baldes, tesoura de poda, sacos plásticos, etiquetas de identificação, caneta e caixa de isopor.

Homem do campo analisando o solo em busca de doenças por nematoides - análise nematológica
Esquema de amostragem e profundidade de coleta de amostras de solo para análise nematológica

Qual é o melhor momento para se fazer a coleta para análise de nematoides?

O momento ideal para coletas nematológicas é durante o florescimento da cultura, com, no mínimo, 40 dias após a emergência das plantas.

O solo deve apresentar umidade natural com aproximadamente 60% da capacidade de campo, não sendo recomendado realizar coletas em solos encharcados ou muito secos. O material coletado deve ser armazenado em sacos plásticos, acondicionando uma porção de solo no fundo do saquinho, seguido das raízes e outra porção de solo, de forma a garantir a conservação da umidade.

Como armazenar as amostras de nematoides após a coleta?

Cada amostra deve ser corretamente identificada, com a área, o talhão, a data da coleta, a cultura, a cultivar e demais informações que o responsável julgar necessárias. Armazenar as amostras em caixas de isopor e em locais arejados e livre da incidência do sol, ajuda a conservar o material.

Se as amostras não forem encaminhadas no mesmo dia para o laboratório, pode-se armazená-las na geladeira, na gaveta inferior, por um período de até cinco dias. Não é indicado adicionar gelo ou congelar a amostra, pois pode inviabilizar o material.

Para onde enviar as amostras de nematoides?

A qualidade e a confiabilidade dos resultados dependem de todos os fatores citados acima e, tão importante quanto eles, é a escolha do laboratório onde as amostras serão analisadas.

É fundamental dar preferência àqueles onde há um nematologista especialista em identificação de nematoides ao nível de espécie. Infelizmente, erros de identificação de espécies ainda são muito comuns nos laboratórios brasileiros, resultando em recomendações inadequadas de manejo e prejuízos ainda maiores aos produtores.

Agora que você sabe como funciona a análise nematológica, aproveite para ler nosso artigo com 4 formas para controlar pragas e doenças.

Autores:

Ana Paula Mendes Lopes

Eng. Agrônoma e Nematologista. Doutoranda em Proteção de Plantas pela Unesp/FCA e possui mestrado em Proteção de plantas pela UEM. Atualmente conduz pesquisas visando o manejo cultural de nematoides.

Daniel Dalvan do Nascimento

Eng. Agrônomo e Nematologista. Doutorando em Entomologia Agrícola pela Unesp/FCAV e possui mestrado em Produção Vegetal pela mesma Universidade. Atualmente conduz pesquisas visando o controle biológico de nematoides.

Leia mais da categoria:

Posts
4 min de leitura

Pneus de borracha feita com soja criam novo mercado nos Estados Unidos

Por Kacey Birchmier Nos Estados Unidos, a Goodyear firmou parceria com o Soy Checkoff (United Soybean Board, uma entidade do setor de soja) para lançar os pneus Goodyear’s Assurance WeatherReady, com foco nos veículos de passageiros. Os pneus possuem um […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura

Startups aos pequenos

Por Fábio Moitinho O Estado de Santa Catarina entrou na rota das startups para um público pouco tecnológico, mas não por muito tempo. Em agosto, foi criado em Florianópolis o Núcleo de Inovação Tecnológica para Agricultura Familiar (Nita). Com um conselho […]

Leia na íntegra
Posts
4 min de leitura

Os erros mais comuns na hora da aplicação de insumos

A produtividade da lavoura é diretamente afetada pela aplicação de insumos, devido ao uso incorreto. Usados para combater pragas e doenças no campo, os defensivos agrícolas também contribuem para o aumento de produtividade nas lavouras. No entanto, a aplicação incorreta […]

Leia na íntegra